ESPECIALIZAÇÃO MÉDICA SUÍÇA: ZURIQUE, MAIORCA, LONDRES, NOVA IORQUE

13 Minutos

Clinicamente editado e revisado por THE BALANCE Esquadrão
Fato verificado

No Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, Quinta Edição (DSM-5) (1), a depressão na gravidez é normalmente diagnosticada como “Transtorno Depressivo Maior” (TDM) com o especificador adicional “com início no periparto”. 

Esse especificador reconhece que os sintomas depressivos ocorrem durante a gravidez ou nas quatro semanas seguintes ao parto. O diagnóstico envolve a presença de sintomas depressivos específicos e seu impacto no funcionamento diário. 

Os profissionais de saúde usam os critérios do DSM-5 para avaliar e diagnosticar a depressão durante a gravidez, garantindo a avaliação adequada e o tratamento apropriado.

A depressão na gravidez, também conhecida como depressão pré-natal, pode ser causada por uma combinação de fatores físicos, hormonais, emocionais e psicológicos. Esses fatores podem incluir (2):

1. Alterações hormonais: as flutuações nos hormônios, principalmente no estrogênio e na progesterona, podem afetar o humor e o bem-estar emocional durante a gravidez (3);

2. Histórico anterior de saúde mental: um histórico de depressão, ansiedade ou outros problemas de saúde mental pode aumentar o risco de depressão durante a gravidez (4);

3. Eventos de vida estressantes: mudanças na vida, dificuldades de relacionamento, estresse financeiro ou falta de apoio social podem contribuir para a depressão pré-natal (5);

4. Desconforto físico: os desconfortos físicos da gravidez, como náusea, fadiga e distúrbios do sono, podem levar ao sofrimento emocional (6);

5. Preocupações com a imagem corporal: mudanças na imagem corporal e na autoestima podem desencadear sentimentos depressivos (7);

6. Gravidez não planejada ou indesejada: sentimentos de ambivalência ou falta de preparo para a gravidez podem contribuir para a depressão (8);

7. Preocupações com a maternidade: a apreensão com relação às responsabilidades da maternidade, do parto e do impacto em sua vida pode ser esmagadora (9);

8. Fatores genéticos: um histórico familiar de depressão ou transtornos de humor pode aumentar a suscetibilidade (10);

9. Vulnerabilidade biológica: as diferenças individuais na química do cérebro e a sensibilidade a alterações hormonais podem desempenhar um papel importante (11);

10. Falta de apoio social: o apoio insuficiente de amigos, familiares ou parceiro pode exacerbar os sentimentos de isolamento e depressão (12, 13);

É importante reconhecer que a depressão na gravidez é uma interação complexa desses fatores e pode variar muito de pessoa para pessoa. Procurar ajuda e apoio profissional é essencial para gerenciar e tratar a depressão pré-natal a fim de garantir o bem-estar da gestante e do bebê.

causa depressão na gravidez

Os sinais de depressão na gravidez incluem tristeza persistente, irritabilidade, fadiga, alterações no apetite ou no sono, dificuldade de concentração, retraimento social, sentimentos de culpa ou inutilidade, aumento da ansiedade e pensamentos intrusivos relacionados à gravidez ou à maternidade.

A depressão na gravidez, comumente conhecida como depressão pré-natal ou pré-natal, é um transtorno de humor que pode afetar as gestantes. Seus sintomas (14, 15, 16, 17, 18, 19) podem variar em intensidade e podem incluir:

  • Tristeza persistente: sentimentos prolongados de tristeza, desesperança ou vazio que atrapalham a vida cotidiana;
  • Irritabilidade: aumento da irritabilidade ou alterações de humor que vão além das flutuações hormonais típicas;
  • Fadiga: cansaço intenso que não melhora com o repouso;
  • Alterações de apetite: mudanças significativas no apetite, levando a comer demais ou a perder o interesse por comida;
  • Distúrbios do sono: dificuldade para adormecer, permanecer dormindo ou sentir sonolência excessiva;
  • Dificuldade de concentração: problemas para se concentrar, tomar decisões ou se lembrar de coisas;
  • Afastamento: retraimento ou isolamento social, evitando amigos e familiares;
  • Perda de interesse: diminuição do interesse em atividades que antes eram prazerosas;
  • Sentimentos de culpa ou inutilidade: culpa injustificada ou sentimentos de inadequação relacionados à gravidez ou à criação dos filhos;
  • Sintomas físicos: dores de cabeça, dores e problemas digestivos que não têm causa médica aparente;
  • Ansiedade: aumento da ansiedade, preocupação excessiva ou ataques de pânico;
  • Pensamentos intrusivos: pensamentos perturbadores ou indesejados relacionados à gravidez, ao parto ou ao bebê.

A depressão na gravidez, também conhecida como depressão pré-natal ou pré-natal, pode variar em duração de pessoa para pessoa. Ela pode durar algumas semanas, alguns meses ou, em alguns casos, durante toda a gravidez. 

A duração e a gravidade da depressão na gravidez dependem de vários fatores, incluindo a saúde mental geral do indivíduo, a presença de redes sociais de apoio e a eficácia do tratamento e das estratégias de enfrentamento.

Algumas pessoas podem apresentar apenas distúrbios de humor leves e temporários durante a gravidez, que podem se resolver com relativa rapidez. Outras podem enfrentar sintomas depressivos mais persistentes e graves que exigem tratamento e apoio contínuos.

A chave para o controle da depressão na gravidez é o reconhecimento e a intervenção precoces. Procurar ajuda profissional de um profissional de saúde ou especialista em saúde mental pode levar a tratamentos eficazes, como terapia e, em alguns casos, medicamentos. Além disso, a criação de um sistema de apoio, incluindo amigos, familiares ou grupos de apoio, pode afetar significativamente o curso e a duração da depressão pré-natal.

Em última análise, cada caso de depressão na gravidez é único, e sua duração é influenciada por uma combinação de fatores individuais e pelo apoio e tratamento adequados recebidos.

Depressão na gravidez: sintomas

A depressão na gravidez, também conhecida como depressão pré-natal ou perinatal, é relativamente comum, mas sua prevalência varia entre indivíduos e populações. Estimativas de pesquisas sugerem que aproximadamente 10% a 15% (20, 21) das mulheres grávidas apresentam algum tipo de depressão durante a gravidez. Entretanto, é importante observar que as taxas de prevalência podem variar dependendo de fatores como geografia, status socioeconômico e histórico cultural.

A conscientização e a detecção precoce da depressão na gravidez melhoraram ao longo dos anos, fazendo com que mais mulheres procurassem ajuda para seus sintomas. Apesar de sua prevalência, a depressão na gravidez é tratável e, com o apoio e as intervenções corretas, muitas mulheres podem controlar seus sintomas de forma eficaz e ter uma gravidez saudável.

A depressão na gravidez, se não for tratada, pode prejudicar indiretamente o feto. O estresse e a depressão materna durante a gravidez podem levar a várias complicações:

  • Nascimento prematuro: mulheres com depressão não tratada têm maior probabilidade de dar à luz prematuramente, aumentando o risco de problemas de saúde para o bebê (22, 23);
  • Baixo peso ao nascer: Os bebês nascidos de mães com depressão não tratada correm um risco maior de ter baixo peso ao nascer (24), o que pode levar a problemas de desenvolvimento;
  • Vínculo prejudicado: a depressão materna pode afetar o processo de ligação entre mãe e bebê, levando a dificuldades emocionais no desenvolvimento inicial da criança (25);
  • Problemas comportamentais e emocionais: crianças nascidas de mães com depressão não tratada podem ser mais suscetíveis a problemas comportamentais e emocionais mais tarde na vida (26, 27);
  • Desenvolvimento cognitivo: alguns estudos sugerem que a depressão pré-natal pode influenciar o desenvolvimento cognitivo da criança (28, 29).

É fundamental que as gestantes busquem ajuda e apoio se tiverem depressão na gravidez. O controle eficaz por meio de terapia, medicação e uma forte rede de apoio pode reduzir esses riscos, promovendo uma gravidez mais saudável e um início de vida mais positivo para a criança. A intervenção e o tratamento precoces são fundamentais para reduzir os possíveis danos à mãe e ao bebê.

O tratamento da depressão na gravidez, também conhecido como depressão pré-natal ou pré-natal, tem como objetivo aliviar os sintomas e apoiar o bem-estar da gestante e do feto. De entre as várias opções de tratamento, destacam-se aquelas que vêm tendo mais sucesso quer no tratamento da depressão perinatal, quer nos impactos de saúde para o bebê após o parto.

Psicoterapia

Terapia cognitivo-comportamental (TCC): a TCC ajuda as pessoas a identificar e mudar padrões de pensamento e comportamentos negativos. É considerada eficaz no tratamento da depressão durante a gravidez; a Terapia interpessoal se concentra em melhorar os relacionamentos e a comunicação, abordando questões que podem contribuir para a depressão; a Terapia de Apoio é um espaço seguro para expressar sentimentos e preocupações pode ser benéfico. As sessões de terapia individual ou em grupo oferecem apoio emocional e estratégias de enfrentamento.

Gerenciamento de medicamentos

Medicamentos antidepressivos: em casos graves ou quando outros tratamentos não são eficazes, os profissionais de saúde podem prescrever medicamentos antidepressivos. 

Mudanças no estilo de vida:

Exercícios físicos: a atividade física regular pode ajudar a aliviar os sintomas depressivos. Ela libera endorfinas e melhora o bem-estar geral; uma dieta balanceada rica em nutrientes pode afetar positivamente o humor. Os ácidos graxos ômega-3 encontrados em peixes e em certos suplementos também podem ter um efeito benéfico; sono: o estabelecimento de boas práticas de higiene do sono pode ajudar a combater a fadiga e melhorar o humor.

Apoio social

Família e amigos: o envolvimento com uma rede de apoio pode proporcionar assistência emocional e ajuda prática; grupos de apoio: participar de um grupo de apoio para mulheres grávidas que enfrentam depressão permite o compartilhamento de experiências e estratégias de enfrentamento; envolvimento do parceiro: Incentivar os parceiros a se envolverem ativamente e a compreenderem pode ajudar significativamente na recuperação.

Técnicas de atenção plena e relaxamento

Práticas como meditação de atenção plena, respiração profunda e relaxamento muscular progressivo podem ajudar a controlar o estresse e a ansiedade.

Terapias alternativas

Algumas pessoas encontram alívio por meio de terapias alternativas, como acupuntura, massagem terapêutica ou ioga. Deverá ser sempre consultado um profissional de saúde antes de iniciar qualquer tratamento alternativo durante a gravidez.

Hospitalização

Em casos raros e graves em que a segurança da mãe ou a saúde do bebê está em risco, a hospitalização pode ser necessária para monitoramento e tratamento rigorosos.

Planejamento pós-parto

A preparação para o período pós-parto é essencial. É fundamental antecipar e abordar os possíveis desafios, inclusive a depressão pós-parto.

Educação e conscientização

Aprender mais sobre a depressão na gravidez, suas causas e os tratamentos disponíveis pode capacitar as gestantes a participar ativamente de sua recuperação.

É essencial observar que apresentar alguns dos sintomas de depressão durante a gravidez não são incomuns devido às mudanças hormonais e emocionais que ocorrem. No entanto, quando esses sintomas são persistentes, graves ou afetam significativamente a vida diária, é importante que as gestantes procurem ajuda profissional, pois a depressão não tratada durante a gravidez pode ter efeitos adversos tanto para a mãe quanto para o bebê. A intervenção precoce e o apoio são cruciais para o bem-estar de ambos.

Na clínica The Balance, em Maiorca, Espanha, a grávida poderá discutir as diversas opções terapêuticas com profissionais de saúde e especialistas em saúde mental que adaptam sua abordagem às necessidades e circunstâncias individuais. A intervenção oportuna e um plano de tratamento abrangente podem melhorar significativamente o bem-estar da futura mãe e contribuir para uma gravidez e um período pós-parto mais saudáveis.

(1) American Psychiatric Association. (2022). Diagnostic and statistical manual of mental disorders (5th ed., text rev.). https://doi.org/10.1176/appi.books.9780890425787

(2) Zhao XH, Zhang ZH. Risk factors for postpartum depression: An evidence-based systematic review of systematic reviews and meta-analyses. Asian J Psychiatr. 2020 Oct;53:102353. doi: 10.1016/j.ajp.2020.102353. Epub 2020 Aug 30. PMID: 32927309.

(3) Trifu S, Vladuti A, Popescu A. The neuroendocrinological aspects of pregnancy and postpartum depression. Acta Endocrinol (Buchar). 2019 Jul-Sep;15(3):410-415. doi: 10.4183/aeb.2019.410. PMID: 32010366; PMCID: PMC6992410.

(4) Satyanarayana VA, Lukose A, Srinivasan K. Maternal mental health in pregnancy and child behavior. Indian J Psychiatry. 2011 Oct;53(4):351-61. doi: 10.4103/0019-5545.91911. PMID: 22303046; PMCID: PMC3267349.

(5) O’Hara MW. Social support, life events, and depression during pregnancy and the puerperium. Arch Gen Psychiatry. 1986 Jun;43(6):569-73. doi: 10.1001/archpsyc.1986.01800060063008. PMID: 3707289.

(6) Trivedi MH. The link between depression and physical symptoms. Prim Care Companion J Clin Psychiatry. 2004;6(Suppl 1):12-6. PMID: 16001092; PMCID: PMC486942.

(7) Silveira ML, Ertel KA, Dole N, Chasan-Taber L. The role of body image in prenatal and postpartum depression: a critical review of the literature. Arch Womens Ment Health. 2015 Jun;18(3):409-21. doi: 10.1007/s00737-015-0525-0. Epub 2015 Apr 17. PMID: 25895137; PMCID: PMC4810003.

(8) Muskens L, Boekhorst MGBM, Kop WJ, van den Heuvel MI, Pop VJM, Beerthuizen A. The association of unplanned pregnancy with perinatal depression: a longitudinal cohort study. Arch Womens Ment Health. 2022 Jun;25(3):611-620. doi: 10.1007/s00737-022-01225-9. Epub 2022 Mar 26. PMID: 35347473; PMCID: PMC9072423.

(9) Priya A, Chaturvedi S, Bhasin SK, Bhatia MS, Radhakrishnan G. Depression, anxiety and stress among pregnant women: A community-based study. Indian J Psychiatry. 2018 Jan-Mar;60(1):151-152. doi: 10.4103/psychiatry.IndianJPsychiatry_230_17. PMID: 29736084; PMCID: PMC5914250.

(10) Figueiredo FP, Parada AP, de Araujo LF, Silva WA Jr, Del-Ben CM. The Influence of genetic factors on peripartum depression: A systematic review. J Affect Disord. 2015 Feb 1;172:265-73. doi: 10.1016/j.jad.2014.10.016. Epub 2014 Oct 19. PMID: 25451426.

(11) Mulligan EM, Flynn H, Hajcak G. Neural response to reward and psychosocial risk factors independently predict antenatal depressive symptoms. Biol Psychol. 2019 Oct;147:107622. doi: 10.1016/j.biopsycho.2018.11.008. Epub 2018 Nov 20. PMID: 30468896; PMCID: PMC6527495.

(12) Milgrom J, Hirshler Y, Reece J, Holt C, Gemmill AW. Social Support-A Protective Factor for Depressed Perinatal Women? Int J Environ Res Public Health. 2019 Apr 21;16(8):1426. doi: 10.3390/ijerph16081426. PMID: 31010090; PMCID: PMC6518117.

(13) Corrigan CP, Kwasky AN, Groh CJ. Social Support, Postpartum Depression, and Professional Assistance: A Survey of Mothers in the Midwestern United States. J Perinat Educ. 2015;24(1):48-60. doi: 10.1891/1058-1243.24.1.48. PMID: 26937161; PMCID: PMC4720860.

(14) Kitamura T, Usui Y, Wakamatsu M, Minatani M, Hada A. What Are The Core Symptoms of Antenatal Depression? A Study Using Patient Health Questionnaire-9 among Japanese Pregnant Women in the First Trimester. Healthcare (Basel). 2023 May 20;11(10):1494. doi: 10.3390/healthcare11101494. PMID: 37239780; PMCID: PMC10218321.

(15) Wichman CL, Stern TA. Diagnosing and Treating Depression During Pregnancy. Prim Care Companion CNS Disord. 2015 Apr 16;17(2):10.4088/PCC.15f01776. doi: 10.4088/PCC.15f01776. PMID: 26445696; PMCID: PMC4560196.

(16) Stewart D. Depression during pregnancy. Can Fam Physician. 2005 Aug;51(8):1061-7. PMID: 16121822; PMCID: PMC1479503.

(17) Nylen KJ, Williamson JA, O’Hara MW, Watson D, Engeldinger J. Validity of somatic symptoms as indicators of depression in pregnancy. Arch Womens Ment Health. 2013 Jun;16(3):203-10. doi: 10.1007/s00737-013-0334-2. Epub 2013 Mar 1. PMID: 23456541.

(18) Chand SP, Arif H. Depression. 2023 Jul 17. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2023 Jan–. PMID: 28613597.

(19) Kennedy SH. Core symptoms of major depressive disorder: relevance to diagnosis and treatment. Dialogues Clin Neurosci. 2008;10(3):271-7. doi: 10.31887/DCNS.2008.10.3/shkennedy. PMID: 18979940; PMCID: PMC3181882.

(20) Yin X, Sun N, Jiang N, Xu X, Gan Y, Zhang J, Qiu L, Yang C, Shi X, Chang J, Gong Y. Prevalence and associated factors of antenatal depression: Systematic reviews and meta-analyses. Clin Psychol Rev. 2021 Feb;83:101932. doi: 10.1016/j.cpr.2020.101932. Epub 2020 Oct 25. PMID: 33176244.

(21) Okagbue HI, Adamu PI, Bishop SA, Oguntunde PE, Opanuga AA, Akhmetshin EM. Systematic Review of Prevalence of Antepartum Depression during the Trimesters of Pregnancy. Open Access Maced J Med Sci. 2019 May 14;7(9):1555-1560. doi: 10.3889/oamjms.2019.270. PMID: 31198472; PMCID: PMC6542400.

(22) Sakowicz A, Allen E, Alvarado-Goldberg M, Grobman WA, Miller ES. Association Between Antenatal Depression Symptom Trajectories and Preterm Birth. Obstet Gynecol. 2023 Apr 1;141(4):810-817. doi: 10.1097/AOG.0000000000005125. Epub 2023 Mar 9. PMID: 36897146.

(23) Venkatesh KK, Riley L, Castro VM, Perlis RH, Kaimal AJ. Association of Antenatal Depression Symptoms and Antidepressant Treatment With Preterm Birth. Obstet Gynecol. 2016 May;127(5):926-933. doi: 10.1097/AOG.0000000000001397. PMID: 27054941; PMCID: PMC10034858.

(24) Diego MA, Field T, Hernandez-Reif M, Schanberg S, Kuhn C, Gonzalez-Quintero VH. Prenatal depression restricts fetal growth. Early Hum Dev. 2009 Jan;85(1):65-70. doi: 10.1016/j.earlhumdev.2008.07.002. Epub 2008 Aug 23. PMID: 18723301; PMCID: PMC2651570.

(25) Dubber S, Reck C, Müller M, Gawlik S. Postpartum bonding: the role of perinatal depression, anxiety and maternal-fetal bonding during pregnancy. Arch Womens Ment Health. 2015 Apr;18(2):187-195. doi: 10.1007/s00737-014-0445-4. Epub 2014 Aug 5. PMID: 25088531.

(26) Severo M, Ventriglio A, Bellomo A, Iuso S, Petito A. Maternal perinatal depression and child neurocognitive development: A relationship still to be clarified. Front Psychiatry. 2023 Mar 20;14:1151897. doi: 10.3389/fpsyt.2023.1151897. PMID: 37020735; PMCID: PMC10067625.

(27) Tirumalaraju V, Suchting R, Evans J, Goetzl L, Refuerzo J, Neumann A, Anand D, Ravikumar R, Green CE, Cowen PJ, Selvaraj S. Risk of Depression in the Adolescent and Adult Offspring of Mothers With Perinatal Depression: A Systematic Review and Meta-analysis. JAMA Netw Open. 2020 Jun 1;3(6):e208783. doi: 10.1001/jamanetworkopen.2020.8783. PMID: 32602910; PMCID: PMC7327545.

(28) Bluett-Duncan M, Kishore MT, Patil DM, Satyanarayana VA, Sharp H. A systematic review of the association between perinatal depression and cognitive development in infancy in low and middle-income countries. PLoS One. 2021 Jun 25;16(6):e0253790. doi: 10.1371/journal.pone.0253790. PMID: 34170948; PMCID: PMC8232443.

(29) Rogers A, Obst S, Teague SJ, Rossen L, Spry EA, Macdonald JA, Sunderland M, Olsson CA, Youssef G, Hutchinson D. Association Between Maternal Perinatal Depression and Anxiety and Child and Adolescent Development: A Meta-analysis. JAMA Pediatr. 2020 Nov 1;174(11):1082-1092. doi: 10.1001/jamapediatrics.2020.2910. PMID: 32926075; PMCID: PMC7490743.

COMO A BALANÇA PODE AJUDAR

A Balance RehabClinic é uma provedora líder de tratamento de dependência de luxo e saúde mental para indivíduos ricos e suas famílias, oferecendo uma mistura de ciência inovadora e métodos holísticos com atendimento individualizado incomparável.

UM MÉTODO EXCLUSIVO

Um conceito bem-sucedido e comprovado com foco em causas subjacentes.
UM CLIENTE POR VEZ
ABORDAGEM DURADOURADA PERSONALIZADA
RESTAURAÇÃO BIOQUÍMICA
MULTIDISCIPLINAR E HOLÍSTICO
TRATAMENTO BASEADO EM TECNOLOGIA
TERAPIA INFORMADA DE TRAUMA

ABORDAGEM DURADOURO

0 Antes

Enviar solicitação de admissão

0 Antes

Definir metas de tratamento

1 semana

Avaliações abrangentes e desintoxicação

1-4 semana

Terapia física e mental contínua

4 semana

Terapia Familiar

5-8 semana

Sessões de acompanhamento pós-tratamento

12+ semana

Visitas de atualização

Saúde Mental Percepções

últimas notícias e pesquisas sobre Saúde Mental
Transtorno de Compulsão Alimentar
Transtorno de Compulsão Alimentar

O TCA  é uma condição grave de saúde mental caracterizada por episódios recorrentes de compulsão alimentar, durante os quais o indivíduo consome uma quantidade anormalmente grande de alimentos em um período discreto

read more
Síndrome de Estocolmo
Síndrome de Estocolmo

read more
Crise Existencial
Crise Existencial

Uma crise existencial é um momento profundo de autorreflexão, em que as pessoas questionam sua existência, propósito e significado na vida. Ela desencadeia sentimentos de confusão e ansiedade

read more
Sindrome do Impostor
Sindrome do Impostor

A síndrome do impostor é um fenômeno psicológico em que os indivíduos duvidam de suas habilidades e realizações, sentindo que não merecem o sucesso e temendo ser expostos como uma fraude

read more

Acreditações

 
NeuroCare
TAA
ssaamp
Somatic Experience
SMGP
SEMES
SFGU
WPA
red GDPS
pro mesotherapie
OGVT
AMF
NeuroCademy
MEG
institute de terapie neural
ifaf
FMH
EPA
EMDR
COPAO
COMIB
British Psychology Society
 

Media

 
Dazed
National World
American Banker
Marie Claire
BBC
La Nacion
Metro UK
General Anzeiger
Live Science
Woman & Home
Apartment Therapy
Express UK
Bloomberg
Cosmopolitan
Morgenpost
Manager Magazin
Entrepreneur ME
Khaleej Times
HighLife
Psychreg
DeluxeMallorca
BusinessInsider
ProSieben
Sat1
Focus
Taff
TechTimes
PsychologyToday
abcMallorca
LuxuryLife
Mirror UK
Mallorca Zeitung
Daily Mail
Guardian
Business Leader
Mallorca Magazin