ESPECIALIZAÇÃO MÉDICA SUÍÇA: MAIORCA, ZURIQUE, LONDRES, OFFSHORE

11 Minutos

Clinicamente editado e revisado por THE BALANCE Esquadrão
Fato verificado

A ansiedade social é um “medo acentuado e persistente de situações sociais ou de desempenho” e inclui sintomas como sudorese, palpitações, tremores e dificuldade respiratória. A ansiedade social é comum, ocorrendo em até 13% da população, e pode ser incapacitante. 

Ela pode ser específica (limitada a uma ou duas situações de desempenho) ou generalizada, e pode ser diagnosticada com um questionário baseado em uma escala. A ansiedade social pode coexistir com outros transtornos, como depressão e distimia. 

O tratamento para a ansiedade social pode ser bastante eficaz e consiste em psicoterapia, farmacoterapia (incluindo medicamentos como β-bloqueadores, ansiolíticos, antidepressivos e anticonvulsivantes) ou uma combinação de terapêuticas (1).

Ansiedade Social

“Ansiedade social” e “fobia social” são termos frequentemente usados de forma intercambiável. Entretanto, há uma pequena diferença em seu uso. O Transtorno de Ansiedade Social é uma condição de saúde mental caracterizada por um medo ou ansiedade intensos em relação a situações sociais. 

As pessoas com transtorno de ansiedade social podem se sentir autoconscientes, nervosas ou ansiosas quando estão em situações sociais ou quando preveem que estarão nelas.  Essas sensações podem ser avassaladoras e interferir em sua capacidade de funcionar em ambientes sociais ou ocupacionais. O transtorno de ansiedade social engloba uma série de medos e ansiedades sociais.

Já no caso da fobia social, este foi um termo usado em versões mais antigas do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM) para descrever um tipo específico de transtorno de ansiedade social. Na edição atual do DSM-5 (2), “fobia social” foi substituída por “transtorno de ansiedade social”. A mudança foi feita para enfatizar que essa condição é um transtorno de saúde mental diagnosticável e para reduzir o estigma associado ao termo “fobia”.

Por conseguinte, na terminologia clínica moderna, o transtorno de ansiedade social é o termo preferido para descrever essa condição. Entretanto, as pessoas ainda podem usar “fobia social” informalmente para se referir à mesma condição. O importante é que ambos os termos se referem a uma condição de saúde mental caracterizada por ansiedade ou medo excessivo em situações sociais. 

O transtorno de ansiedade social é caracterizado por um medo intenso de situações sociais em que a pessoa pode ser examinada por outros. A pessoa teme ser avaliada negativamente – por exemplo, ser julgada como ansiosa, ansiosa, fraca, estúpida, chata ou antipática (3).

A ansiedade social não existe isoladamente nos pacientes, havendo um nexo de causalidade entre este transtorno e outros diagnósticos. 

Quatro quintos dos adultos com diagnóstico primário de transtorno de ansiedade social terão pelo menos um outro transtorno psiquiátrico em algum momento da vida (4). Entre os adultos, o transtorno de ansiedade social tem uma probabilidade especial de ocorrer junto com outros transtornos de ansiedade (até 70%), seguido por qualquer transtorno afetivo (até 65%), dependência de nicotina (27%) e transtorno por uso de substâncias (cerca de 20%) (5, 6). 

Como o transtorno de ansiedade social tem uma idade de início particularmente precoce, muitas dessas condições comórbidas se desenvolvem posteriormente. É interessante que a ansiedade comórbida preveja resultados piores no tratamento de pessoas com transtorno afetivo bipolar e transtorno depressivo maior (7, 8) e também que 25% das pessoas que apresentam o primeiro episódio de psicose têm transtorno de ansiedade social (9). 

Quando as pessoas preenchem os critérios para transtorno de ansiedade social e outro transtorno de ansiedade, a ansiedade social vem primeiro em 32% das pessoas; em pessoas com ansiedade social e transtornos afetivos ou uso indevido de substâncias, a ansiedade social precede essas condições comórbidas em 71% e 80%, respectivamente (10). 

O desenvolvimento do transtorno de ansiedade social é provavelmente melhor compreendido como uma interação entre vários fatores biopsicossociais diferentes (11). 

Os fatores genéticos parecem desempenhar um papel. Taxas mais altas de transtorno de ansiedade social são relatadas em parentes de pessoas com a condição do que em parentes de pessoas sem a condição (12). Outras evidências de um componente genético vêm de estudos com gêmeos (13). 

Os fatores ambientais também têm um papel importante no desenvolvimento da doença para muitas pessoas. Eventos sociais estressantes no início da vida (por exemplo, sofrer bullying, abuso familiar, constrangimento em público ou ficar com a mente vazia durante uma apresentação pública) são comumente relatados por pessoas com transtorno de ansiedade social (14). 

A modelagem parental do medo e da evitação em situações sociais, além de um estilo parental superprotetor, foram associados ao desenvolvimento da condição em alguns estudos (15).

A ansiedade social subclínica ou “subliminar” está associada a uma carga individual significativa. A gravidade dos sintomas de ansiedade social pode variar de experiências desagradáveis leves, como aumento da excitação emocional e inibição comportamental em situações sociais, até o medo debilitante de avaliação negativa, sintomas semelhantes aos do ataque de pânico e evitação comportamental. 

Até 20% da população em geral relatam níveis subclínicos de sintomas de ansiedade social, que podem alterar o funcionamento individual em vários domínios da vida e interferir significativamente na qualidade de vida (16).

  • Medo ou ansiedade acentuados relacionados a uma ou mais situações sociais em que se prevê o escrutínio de outras pessoas; exemplos incluem participar de interações sociais (por exemplo, conversar ou conhecer pessoas desconhecidas), ser observado (por exemplo, ao comer ou beber) e se apresentar na frente de outras pessoas (por exemplo, fazer um discurso);
  • Medo de agir de uma forma (por exemplo, mostrar sintomas de ansiedade) que será avaliada negativamente por outras pessoas (ou seja, será humilhante ou embaraçoso ou causará ofensa ou será rejeitado por outras pessoas);
  • O medo ou a ansiedade quase sempre são provocados por situações sociais;
  • As situações sociais são evitadas ou suportadas com medo ou ansiedade intensos;
  • O medo ou a ansiedade é desproporcional à ameaça real representada pela situação social e ao contexto sociocultural;
  • O medo, a ansiedade ou a evitação são persistentes, geralmente durando 6 meses ou mais;
  • O medo, a ansiedade ou a evitação causam sofrimento clinicamente significativo ou prejuízo em áreas sociais, ocupacionais ou outras áreas importantes de funcionamento;
  • O medo, a ansiedade ou a evitação não são atribuíveis aos efeitos fisiológicos do uso de substâncias (por exemplo, abuso de drogas ou medicamentos) ou outra condição médica;
  • O medo, a ansiedade ou a evitação não são mais bem explicados por sintomas de outro transtorno mental (por exemplo, transtorno do pânico, transtorno dismórfico corporal ou transtorno do espectro do autismo);
  • Se o paciente tiver outra condição médica (por exemplo, doença de Parkinson, obesidade ou desfiguração por queimaduras ou ferimentos), o medo, a ansiedade ou a evitação do paciente não estão claramente relacionados a essa condição ou são excessivos;
  • Se o medo ou a ansiedade se restringir a falar ou se apresentar em público, o transtorno de ansiedade social deve ser especificado apenas como ansiedade de desempenho.

Sinais de ansiedade social

Existem vários tratamentos eficazes para o transtorno de ansiedade social. O tratamento psicossocial é a Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC), realizada em formato individual ou em grupo. Cada vez mais evidências também apóiam a eficácia da Terapia de Aceitação e Compromisso. 

Vários medicamentos, especialmente os inibidores seletivos da recaptação de serotonina, também se mostraram eficazes. Contudo, a capacidade de acessar tratamentos baseados em evidências continua sendo um desafio e mesmo entre aqueles que conseguem acessar tratamentos baseados em evidências, muitos não respondem ao tratamento ou têm recaídas após a conclusão do tratamento (17).

Tem remédio para ansiedade social?

Há pouca evidência de eficácia diferencial dentro das classes de medicamentos ou entre elas. No caso dos inibidores seletivos de recaptação de serotonina (ISRSs, como fluoxetina, citalopram, paroxetina, sertralina, fluvoxamina e escitalopram) e inibidores de recaptação de serotonina e noradrenalina (ISRSNs, como venlafaxina e duloxetina), não se verificam diferenças na eficácia, mas diferenças na tolerabilidade do paciente. Na ausência de evidências convincentes de eficácia diferencial, as diferenças na tolerabilidade e nos efeitos colaterais são importantes na escolha do tratamento. 

Os ISRSs e os ISRSNs com meia-vida curta (por exemplo, paroxetina e venlafaxina) estão associados ao maior risco de efeitos de descontinuação, incluindo efeitos durante o período de tratamento e após o término do tratamento. Alguns efeitos colaterais, como aumento da agitação e disfunção sexual, podem ser especialmente angustiantes para pessoas com transtorno de ansiedade social. Essas questões devem ser consideradas antes de iniciar o tratamento medicamentoso (18).

As terapias cognitivo-comportamentais, ainda que associadas a tratamento farmacológico, têm sido as mais eficazes no tratamento da ansiedade social. Nelas são aplicadas diversas técnicas, das quais destacamos as mais preponderantes, nomeadamente a exposição, o relaxamento aplicado e o treinamento de habilidades sociais. Além disso, a maioria das formas de TCC também inclui a reestruturação cognitiva. 

A exposição, na qual o paciente entra e permanece em uma situação temida apesar da angústia, é um ingrediente fundamental da maioria dos tratamentos de TCC. A exposição é parcialmente baseada no pressuposto de que o cliente deve vivenciar totalmente a situação temida para que possa se beneficiar do tratamento e para que ocorra a mudança nos sintomas afetivos e comportamentais

O relaxamento muscular progressivo demonstrou alguma eficácia no no tratamento do transtorno de ansiedade social. No relaxamento aplicado, os pacientes são treinados e instruídos a praticar o uso do relaxamento durante as atividades diárias. Quando o cliente estiver suficientemente hábil na aplicação dessa técnica, deverá aplicá-la ao confrontar situações temidas.

O treinamento de habilidades sociais geralmente é justificado com um modelo de déficit de habilidades do transtorno de ansiedade social, que pressupõe que a ansiedade decorre de habilidades inadequadas de interação social. O tratamento lógico, com base nesse pressuposto, é ensinar e praticar habilidades sociais, o que geralmente é feito com uma combinação de modelagem, ensaio comportamental, feedback corretivo e reforço positivo.

O uso da reestruturação cognitiva para pessoas com transtorno de ansiedade social baseia-se na lógica de que não é a situação, mas os pensamentos da pessoa sobre a situação que geram ansiedade. Geralmente, esse modelo e exemplos de apoio são apresentados ao cliente. O cliente e o terapeuta trabalham juntos na identificação de pensamentos automáticos, que são definidos como pensamentos negativos, muitas vezes imprecisos, que produzem angústia (19).

Como tratar ansiedade social?

O tratamento do transtorno de ansiedade social deverá concentrar-se em mudar o pensamento inútil sobre a probabilidade e as consequências de ficar ansioso e de voltar a se envolver em situações sociais evitadas, para que o paciente aprenda a tolerar o afeto negativo e a incerteza. 

A abordagem do tratamento deverá encontrar sua fundamentação em modelos cognitivo-comportamentais de ansiedade social, fazendo o melhor uso dos avanços da ciência clínica, especialmente trabalhos recentes sobre o papel causal dos vieses de interpretação (a tendência de atribuir significado negativo ou ameaçador a situações ambíguas) na manutenção e redução da ansiedade.

Na clínica de luxo The Balance, situada numa exclusiva propriedade na ilha de Maiorca, Espanha, o tratamento desse transtorno é realizado por uma equipe de profissionais de saúde experientes. A combinação de terapias aplicadas permite alcançar um sucesso terapêutico muito relevante, sendo certo que a privacidade e exclusividade são elementos importantes desse sucesso.

(1) Jefferson JW. Social Anxiety Disorder: More Than Just a Little Shyness. Prim Care Companion J Clin Psychiatry. 2001 Feb;3(1):4-9. 

(2) American Psychiatric Association. Diagnostic and statistical manual of mental disorders, 5th edition: DSM-5. Washington, DC: American Psychiatric Publications, 2013.

(3) Leichsenring F, Leweke F. Social Anxiety Disorder. N Engl J Med. 2017 Jun 8;376(23):2255-2264.

(4) Magee WJ, Eaton WW, Wittchen HU, McGonagle KA, Kessler RC. Agoraphobia, simple phobia, and social phobia in the National Comorbidity Survey. Arch Gen Psychiatry. 1996 Feb;53(2):159-68.

(5) Fehm L, Beesdo K, Jacobi F, Fiedler A. Social anxiety disorder above and below the diagnostic threshold: prevalence, comorbidity and impairment in the general population. Soc Psychiatry Psychiatr Epidemiol. 2008 Apr;43(4):257-65.

(6) Grant BF, Stinson FS, Hasin DS, Dawson DA, Chou SP, Ruan WJ, Huang B. Prevalence, correlates, and comorbidity of bipolar I disorder and axis I and II disorders: results from the National Epidemiologic Survey on Alcohol and Related Conditions. J Clin Psychiatry. 2005 Oct;66(10):1205-15.

(7) Fava M, Rush AJ, Alpert JE, Balasubramani GK, Wisniewski SR, Carmin CN, Biggs MM, Zisook S, Leuchter A, Howland R, Warden D, Trivedi MH. Difference in treatment outcome in outpatients with anxious versus nonanxious depression: a STAR*D report. Am J Psychiatry. 2008 Mar;165(3):342-51. 

(8) Simon NM, Otto MW, Wisniewski SR, Fossey M, Sagduyu K, Frank E, Sachs GS, Nierenberg AA, Thase ME, Pollack MH. Anxiety disorder comorbidity in bipolar disorder patients: data from the first 500 participants in the Systematic Treatment Enhancement Program for Bipolar Disorder (STEP-BD). Am J Psychiatry. 2004 Dec;161(12):2222-9.

(9) Michail M, Birchwood M. Social anxiety disorder in first-episode psychosis: incidence, phenomenology and relationship with paranoia. Br J Psychiatry. 2009 Sep;195(3):234-41. 

(10) Chartier MJ, Walker JR, Stein MB. Considering comorbidity in social phobia. Soc Psychiatry Psychiatr Epidemiol. 2003 Dec;38(12):728-34. 

(11) Tillfors M. Why do some individuals develop social phobia? A review with emphasis on the neurobiological influences. Nord J Psychiatry. 2004;58(4):267-76.

(12) Stein MB, Chartier MJ, Hazen AL, Kozak MV, Tancer ME, Lander S, Furer P, Chubaty D, Walker JR. A direct-interview family study of generalized social phobia. Am J Psychiatry. 1998 Jan;155(1):90-7. 

(13) Kendler KS, Neale MC, Kessler RC, Heath AC, Eaves LJ. The genetic epidemiology of phobias in women. The interrelationship of agoraphobia, social phobia, situational phobia, and simple phobia. Arch Gen Psychiatry. 1992 Apr;49(4):273-81. 

(14) Erwin BA, Heimberg RG, Marx BP, Franklin ME. Traumatic and socially stressful life events among persons with social anxiety disorder. J Anxiety Disord. 2006;20(7):896-914. 

(15) Lieb R, Wittchen HU, Höfler M, Fuetsch M, Stein MB, Merikangas KR. Parental psychopathology, parenting styles, and the risk of social phobia in offspring: a prospective-longitudinal community study. Arch Gen Psychiatry. 2000 Sep;57(9):859-66. 

(16) Crişan LG, Vulturar R, Miclea M, Miu AC. Reactivity to Social Stress in Subclinical Social Anxiety: Emotional Experience, Cognitive Appraisals, Behavior, and Physiology. Front Psychiatry. 2016 Jan 27;7:5. 

(17) Wolitzky-Taylor K, LeBeau R. Recent advances in the understanding and psychological treatment of social anxiety disorder. Fac Rev. 2023 Apr 14;12:8.

(18) Mayo-Wilson E, Dias S, Mavranezouli I, Kew K, Clark DM, Ades AE, Pilling S. Psychological and pharmacological interventions for social anxiety disorder in adults: a systematic review and network meta-analysis. Lancet Psychiatry. 2014 Oct;1(5):368-76. 

(19) Rodebaugh TL, Holaway RM, Heimberg RG. The treatment of social anxiety disorder. Clin Psychol Rev. 2004 Nov;24(7):883-908. 

COMO A BALANÇA PODE AJUDAR

A Balance RehabClinic é uma provedora líder de tratamento de dependência de luxo e saúde mental para indivíduos ricos e suas famílias, oferecendo uma mistura de ciência inovadora e métodos holísticos com atendimento individualizado incomparável.

UM MÉTODO EXCLUSIVO

Um conceito bem-sucedido e comprovado com foco em causas subjacentes.
UM CLIENTE POR VEZ
ABORDAGEM DURADOURADA PERSONALIZADA
RESTAURAÇÃO BIOQUÍMICA
MULTIDISCIPLINAR E HOLÍSTICO
TRATAMENTO BASEADO EM TECNOLOGIA
TERAPIA INFORMADA DE TRAUMA

ABORDAGEM DURADOURO

0 Antes

Enviar solicitação de admissão

0 Antes

Definir metas de tratamento

1 semana

Avaliações abrangentes e desintoxicação

1-4 semana

Terapia física e mental contínua

4 semana

Terapia Familiar

5-8 semana

Sessões de acompanhamento pós-tratamento

12+ semana

Visitas de atualização

Saúde Mental Percepções

últimas notícias e pesquisas sobre Saúde Mental
Compulsão Alimentar e Ansiedade
Compulsão Alimentar e Ansiedade

read more
Fobia Social
Fobia Social

A fobia social, ou transtorno de ansiedade social (TAS), envolve um medo intenso ou ansiedade em relação a situações sociais em que os indivíduos podem ser examinados, julgados ou constrangidos pelos outros

read more
Transtorno de Compulsão Alimentar
Transtorno de Compulsão Alimentar

O TCA  é uma condição grave de saúde mental caracterizada por episódios recorrentes de compulsão alimentar, durante os quais o indivíduo consome uma quantidade anormalmente grande de alimentos em um período discreto

read more
Síndrome de Estocolmo
Síndrome de Estocolmo

read more

Acreditações

 
NeuroCare
TAA
ssaamp
Somatic Experience
SMGP
SEMES
SFGU
WPA
red GDPS
pro mesotherapie
OGVT
AMF
NeuroCademy
MEG
institute de terapie neural
ifaf
FMH
EPA
EMDR
COPAO
COMIB
British Psychology Society
 

Media

 
Dazed
National World
American Banker
Marie Claire
BBC
La Nacion
Metro UK
General Anzeiger
Live Science
Woman & Home
Apartment Therapy
Express UK
Bloomberg
Cosmopolitan
Morgenpost
Manager Magazin
Entrepreneur ME
Khaleej Times
HighLife
Psychreg
DeluxeMallorca
BusinessInsider
ProSieben
Sat1
Focus
Taff
TechTimes
PsychologyToday
abcMallorca
LuxuryLife
Mirror UK
Mallorca Zeitung
Daily Mail
Guardian
Business Leader
Mallorca Magazin