ESPECIALIZAÇÃO MÉDICA SUÍÇA: ZURIQUE, MAIORCA, LONDRES, NOVA IORQUE

12 Minutos

Clinicamente editado e revisado por THE BALANCE Esquadrão
Fato verificado

Este texto explora o significado e tratamento das fobias. Baseado no DSM-5 (1), destaca tipos como fobias específicas, sociais e agorafobia. Examina as mais perigosas, ressaltando seus impactos. Descreve sintomas emocionais e físicos e discute a possibilidade de cura. Aborda tratamentos eficazes, como a terapia cognitivo-comportamental (TCC). Apresenta exemplos de celebridades superando fobias. Conclui destacando a importância da colaboração com profissionais de saúde mental para uma vida mais plena.

Fobia

O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, Quinta Edição (DSM-5), define uma fobia como um transtorno de ansiedade caracterizado por um medo persistente e excessivo de um objeto, situação ou atividade específica. O medo é reconhecido como excessivo ou irracional, e a exposição ao estímulo fóbico provoca uma resposta imediata de ansiedade, muitas vezes levando a um comportamento de evitação. O medo deve interferir significativamente na vida diária do indivíduo para atender aos critérios diagnósticos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Classificação Internacional de Doenças (CID) alinham-se com a definição do DSM-5, reconhecendo as fobias como um subconjunto dos transtornos de ansiedade (2). As características comuns incluem ansiedade acentuada e desproporcional, comportamento de evitação e sintomas fisiológicos em resposta ao estímulo temido.

Psicólogos proeminentes, como Albert Bandura e Joseph Wolpe, contribuíram para a compreensão das fobias, enfatizando o papel da aprendizagem, do condicionamento e dos processos cognitivos no seu desenvolvimento. Globalmente, existe um consenso entre profissionais e investigadores de saúde mental relativamente às principais características das fobias, reconhecendo o seu impacto no bem-estar emocional e a importância das intervenções terapêuticas para uma gestão eficaz.

As fobias se manifestam de diversas formas, categorizadas em três tipos principais. Compreender e classificar essas categorias fóbicas auxilia no diagnóstico e no planejamento do tratamento. Abordagens terapêuticas, incluindo terapia de exposição e técnicas cognitivo-comportamentais, são frequentemente utilizadas para aliviar o sofrimento e a deficiência associados às fobias, promovendo a melhoria do bem-estar mental.

1. Fobias Específicas

Envolvem medos intensos de objetos, situações ou atividades específicas. Exemplos incluem aracnofobia (medo de aranhas), acrofobia (medo de altura) e claustrofobia (medo de espaços confinados). O medo é irracional, desproporcional e leva a comportamentos de evitação (3, 4, 5).

2. Fobias Sociais (Transtorno de Ansiedade Social) 

Centrados no medo de escrutínio ou julgamento em situações sociais, os indivíduos com fobias sociais podem ter medo de falar em público, conhecer novas pessoas ou participar de reuniões sociais. O medo muitas vezes decorre de uma incapacidade percebida de atender às expectativas sociais e pode levar ao isolamento (6, 7, 8, 9).

3. Agorafobia 

Envolve medo de espaços abertos ou situações onde a fuga possa ser um desafio ou onde a ajuda não esteja disponível. Indivíduos com agorafobia podem evitar lugares lotados, transporte público ou ficar sozinhos fora de casa. O medo não é apenas sobre a situação, mas também está relacionado ao potencial de ataques de pânico (10, 11, 12).

Determinar as fobias “mais perigosas” é subjetivo, pois o impacto varia de acordo com as experiências e circunstâncias individuais. No entanto, certas fobias podem representar desafios graves devido ao seu potencial para consequências potencialmente fatais. 

Em última análise, o perigo reside na medida em que as fobias prejudicam o funcionamento diário, limitam o acesso a recursos essenciais e comprometem a saúde geral. Intervenções terapêuticas eficazes podem mitigar estes riscos e melhorar a qualidade de vida dos indivíduos.

1. Agorafobia

Embora não seja inerentemente perigoso, evitar espaços públicos pela agorafobia pode levar ao isolamento social, limitando o acesso aos recursos e cuidados de saúde necessários. Em casos extremos, os indivíduos podem evitar sair totalmente de casa, afetando a saúde física.

2. Fobias Específicas com Riscos de Segurança

Algumas fobias específicas envolvem objetos ou situações com perigos inerentes, como medo de voar ou medo de altura. Se o comportamento de evitação impedir os indivíduos de atender às necessidades essenciais ou de procurar atendimento médico, isso poderá resultar em riscos significativos.

3. Fobia por lesão por injeção de sangue

Indivíduos com essa fobia podem sofrer queda na pressão arterial e desmaiar quando expostos a sangue ou procedimentos médicos. Embora não seja uma ameaça à vida, o risco surge de possíveis lesões durante quedas, especialmente se ocorrer em ambiente médico.

4. Fobia Social

A fobia social grave pode levar ao afastamento e ao isolamento social, afetando a saúde mental e o bem-estar geral. O estresse associado e possíveis distúrbios concomitantes podem contribuir para resultados perigosos para a saúde.

Quais as fobias mais perigosas?

As fobias manifestam-se com uma série de sintomas emocionais, cognitivos e fisiológicos, normalmente desencadeados pela exposição ao estímulo temido. Os sintomas emocionais incluem medo intenso e irracional, muitas vezes reconhecido como excessivo pelo indivíduo. Os sintomas cognitivos envolvem pensamentos persistentes sobre o objeto ou situação temida, levando à ansiedade e preocupação. Esses pensamentos podem interferir na concentração e nas atividades diárias (13, 14).

Os sintomas fisiológicos incluem uma resposta intensificada ao estresse, como taquicardia, falta de ar, tremores, sudorese e náusea. Os indivíduos podem experimentar ataques de pânico caracterizados por uma sensação avassaladora de pavor e um desejo de escapar da situação. O comportamento de evitação é uma resposta comum, pois os indivíduos fazem de tudo para evitar encontros com o estímulo fóbico (15).

O medo associado às fobias é muitas vezes desproporcional à ameaça real representada pelo estímulo, e a angústia que causa pode ter um impacto significativo no funcionamento diário. Em alguns casos, a ansiedade antecipatória pode surgir mesmo com a ideia de encontrar o estímulo fóbico. Os sintomas variam em intensidade, mas coletivamente contribuem para o prejuízo significativo que os indivíduos com fobias podem experimentar em suas vidas pessoais, sociais e profissionais (16).

Sim, uma fobia sempre envolve medo. Uma fobia é definida como um medo intenso e irracional de um objeto, situação ou atividade específica. O medo experimentado por indivíduos com fobias é normalmente desproporcional ao perigo real representado pelo estímulo fóbico. Esse medo é um componente-chave dos critérios diagnósticos para fobias, conforme descrito nas classificações psicológicas e psiquiátricas, como o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5) e a Classificação Internacional de Doenças (CID).

O medo associado às fobias pode levar a vários sintomas emocionais, cognitivos e fisiológicos, como ansiedade, ataques de pânico, tremores, suores e comportamentos de evitação. A intensidade do medo pode variar de pessoa para pessoa, mas é uma característica definidora dos transtornos fóbicos. O medo não é uma resposta normal ou racional ao estímulo e interfere significativamente na vida diária e no bem-estar do indivíduo.

As fobias são geralmente consideradas tratáveis, com várias abordagens terapêuticas mostrando eficácia. No Brasil, os dados epidemiológicos sobre fobias destacam sua prevalência, enfatizando a importância de abordar a saúde mental. Segundo a Organização Mundial da Saúde, estima-se que cerca de 9,3% da população brasileira tenha algum transtorno de ansiedade, que inclui fobias, em um determinado ano.

Os tratamentos bem-sucedidos geralmente envolvem psicoterapia, particularmente terapia cognitivo-comportamental (TCC) e terapia de exposição, com o objetivo de confrontar e superar gradualmente os estímulos temidos. Medicamentos, como inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS), também podem ser prescritos em alguns casos.

Celebridades discutiram abertamente a superação de suas fobias, contribuindo para a conscientização. Por exemplo, a atriz Emma Stone lutou contra ataques de pânico e agorafobia na infância e, por meio de terapia, administrou com sucesso seus sintomas.

Embora nem todos os casos possam resultar em “cura” completa, o manejo eficaz e a redução significativa dos sintomas são possíveis com intervenção adequada. O diagnóstico precoce e o acesso a recursos de saúde mental desempenham papéis cruciais no sucesso do tratamento das fobias, promovendo melhoria da qualidade de vida dos indivíduos afetados por estes transtornos de ansiedade.

A superação de uma fobia envolve uma combinação de técnicas terapêuticas e exposição gradual ao estímulo temido. A terapia cognitivo-comportamental (TCC) é uma abordagem amplamente reconhecida e eficaz, ajudando os indivíduos a identificar e desafiar pensamentos e crenças irracionais associados à sua fobia. A terapia de exposição, um componente da TCC, envolve a exposição controlada e sistemática ao estímulo temido em um ambiente seguro, permitindo que os indivíduos enfrentem e gerenciem seu medo gradualmente (17, 18).

O processo normalmente começa com a criação de uma hierarquia de medo, classificando as situações relacionadas à fobia da que menos causa à maior ansiedade. Através da exposição sistemática, os indivíduos aprendem a tolerar e, eventualmente, a reduzir a sua resposta ao medo. Técnicas de relaxamento, como respiração profunda, são frequentemente integradas para controlar a ansiedade durante as exposições (19, 20).

Medicamentos, como ansiolíticos ou antidepressivos, podem ser prescritos em alguns casos, principalmente quando os sintomas são graves (21). No entanto, a medicação é frequentemente usada em conjunto com a psicoterapia para um tratamento abrangente.

O comprometimento individual, a motivação e a colaboração com um profissional de saúde mental qualificado são cruciais para o sucesso. Sessões regulares de terapia, prática fora da terapia e um ambiente de apoio contribuem para o processo gradual de superação de uma fobia. O objectivo não é necessariamente a eliminação completa, mas sim uma gestão eficaz, permitindo aos indivíduos levar vidas mais gratificantes e menos restritas.

Como superar uma fobia?

A terapia cognitivo-comportamental (TCC) para fobias envolve uma abordagem estruturada e orientada para objetivos para abordar pensamentos, comportamentos e respostas emocionais irracionais associados ao estímulo fóbico. Vários autores proeminentes contribuíram para o desenvolvimento de abordagens de TCC para fobias.

Albert Ellis

Ellis é conhecido pela Rational Emotive Behavior Therapy (REBT), um precursor da TCC. REBT se concentra em identificar e desafiar crenças irracionais que contribuem para o sofrimento emocional. O trabalho de Ellis lançou as bases para o aspecto da reestruturação cognitiva da TCC (22).

Aaron T. Beck

Beck é um pioneiro na terapia cognitiva, um componente da TCC. Ele enfatizou o papel dos pensamentos automáticos e das distorções cognitivas na formação das reações emocionais. A terapia cognitiva de Beck foi integrada à TCC para fobias, a fim de atingir e modificar padrões de pensamento distorcidos (23).

Donald Meichenbaum

Meichenbaum contribuiu para a área com Modificação Cognitivo-Comportamental, enfatizando a importância do treinamento autoinstrucional e da reestruturação cognitiva. Seu trabalho influenciou o componente de reestruturação cognitiva da TCC para fobias (24).

Joseph Wolpe

Wolpe desenvolveu a dessensibilização sistemática, uma técnica comportamental frequentemente incorporada na TCC para fobias. Esta abordagem envolve a exposição gradual dos indivíduos ao estímulo temido, ao mesmo tempo que ensina técnicas de relaxamento para neutralizar a ansiedade.

A TCC para fobias normalmente envolve uma combinação de reestruturação cognitiva, terapia de exposição e técnicas comportamentais. Os terapeutas podem adaptar as intervenções com base nas necessidades e preferências específicas do indivíduo, promovendo um processo terapêutico colaborativo e fortalecedor (25).

Em conclusão, este texto destaca a complexidade das fobias, desde a compreensão dos diferentes tipos até os impactos significativos em diversos aspectos da vida. Enfatiza a tratabilidade das fobias, com a terapia cognitivo-comportamental como uma abordagem eficaz. A relevância da Clínica de Saúde de Luxo The Balance em Mallorca para tratar fobias é notável, oferecendo instalações e profissionais qualificados para promover a melhoria do bem-estar mental.

  1. Impact of the DSM-IV to DSM-5 Changes on the National Survey on Drug Use and Health [Internet]. 2016 Jun. Table 3.11, DSM-IV to DSM-5 Specific Phobia Comparison. 
  2. Kessler RC, et al. Lifetime prevalence and age-of-onset distributions of mental disorders in the World Health Organization’s World Mental Health Survey Initiative. World Psychiatry. 2007 Oct;6(3):168-76. PMID: 18188442; PMCID: PMC2174588.
  3. Samra CK, Abdijadid S. Specific Phobia. [Updated 2023 May 1]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2024 Jan-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK499923/
  4. Eaton WW, Bienvenu OJ, Miloyan B. Specific phobias. Lancet Psychiatry. 2018 Aug;5(8):678-686. doi: 10.1016/S2215-0366(18)30169-X. PMID: 30060873; PMCID: PMC7233312.
  5. Garcia R. Neurobiology of fear and specific phobias. Learn Mem. 2017 Aug 16;24(9):462-471. doi: 10.1101/lm.044115.116. PMID: 28814472; PMCID: PMC5580526.
  6. National Collaborating Centre for Mental Health (UK). Social Anxiety Disorder: Recognition, Assessment and Treatment. Leicester (UK): British Psychological Society (UK); 2013. (NICE Clinical Guidelines, No. 159.) 2, SOCIAL ANXIETY DISORDER. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK327674/
  7. Rose GM, Tadi P. Social Anxiety Disorder. [Updated 2022 Oct 25]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2024 Jan-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK555890/
  8. Jefferson JW. Social Anxiety Disorder: More Than Just a Little Shyness. Prim Care Companion J Clin Psychiatry. 2001 Feb;3(1):4-9. doi: 10.4088/pcc.v03n0102. PMID: 15014622; PMCID: PMC181152.
  9. Alomari NA, Bedaiwi SK, Ghasib AM, Kabbarah AJ, Alnefaie SA, Hariri N, Altammar MA, Fadhel AM, Altowairqi FM. Social Anxiety Disorder: Associated Conditions and Therapeutic Approaches. Cureus. 2022 Dec 19;14(12):e32687. doi: 10.7759/cureus.32687. PMID: 36660516; PMCID: PMC9847330.
  10. Balaram K, Marwaha R. Agoraphobia. [Updated 2023 Feb 13]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2024 Jan-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK554387/
  11. Shin J, Park DH, Ryu SH, Ha JH, Kim SM, Jeon HJ. Clinical implications of agoraphobia in patients with panic disorder. Medicine (Baltimore). 2020 Jul 24;99(30):e21414. doi: 10.1097/MD.0000000000021414. PMID: 32791758; PMCID: PMC7387026.
  12. Perugi G, Frare F, Toni C. Diagnosis and treatment of agoraphobia with panic disorder. CNS Drugs. 2007;21(9):741-64. doi: 10.2165/00023210-200721090-00004. PMID: 17696574.
  13. Reich J, Noyes R, Yates W. Anxiety symptoms distinguishing social phobia from panic and generalized anxiety disorders. J Nerv Ment Dis. 1988 Aug;176(8):510-3. doi: 10.1097/00005053-198808000-00011. PMID: 3404144.
  14. Mersch PP, Hildebrand M, Lavy EH, Wessel I, van Hout WJ. Somatic symptoms in social phobia: a treatment method based on rational emotive therapy and paradoxical interventions. J Behav Ther Exp Psychiatry. 1992 Sep;23(3):199-211. doi: 10.1016/0005-7916(92)90037-j. PMID: 1487538.
  15. Stein MB, Torgrud LJ, Walker JR. Social phobia symptoms, subtypes, and severity: findings from a community survey. Arch Gen Psychiatry. 2000 Nov;57(11):1046-52. doi: 10.1001/archpsyc.57.11.1046. PMID: 11074870.
  16. Greist JH. The diagnosis of social phobia. J Clin Psychiatry. 1995;56 Suppl 5:5-12. PMID: 7782274.
  17. Priyamvada R, Kumari S, Prakash J, Chaudhury S. Cognitive behavioral therapy in the treatment of social phobia. Ind Psychiatry J. 2009 Jan;18(1):60-3. doi: 10.4103/0972-6748.57863. PMID: 21234166; PMCID: PMC3016703.
  18. Álvarez-Pérez Y, et al. Changes in Brain Activation through Cognitive-Behavioral Therapy with Exposure to Virtual Reality: A Neuroimaging Study of Specific Phobia. J Clin Med. 2021 Aug 9;10(16):3505. doi: 10.3390/jcm10163505. PMID: 34441804; PMCID: PMC8397119.
  19. Marom S, Aderka IM, Hermesh H, Gilboa-Schechtman E. Social phobia: maintenance models and main components of CBT. Isr J Psychiatry Relat Sci. 2009;46(4):264-8. PMID: 20635773.
  20. Vigerland S, Thulin U, Ljótsson B, Svirsky L, Ost LG, Lindefors N, Andersson G, Serlachius E. Internet-delivered CBT for children with specific phobia: a pilot study. Cogn Behav Ther. 2013;42(4):303-14. doi: 10.1080/16506073.2013.844201. PMID: 24245708.
  21. Noyes R Jr, Chaudry DR, Domingo DV. Pharmacologic treatment of phobic disorders. J Clin Psychiatry. 1986 Sep;47(9):445-52. PMID: 2875063.
  22. Ellis, A. (1991). Rational-emotive treatment of simple phobias. Psychotherapy: Theory, Research, Practice, Training, 28(3), 452–456. 
  23. Beck AT. A 60-Year Evolution of Cognitive Theory and Therapy. Perspect Psychol Sci. 2019 Jan;14(1):16-20. doi: 10.1177/1745691618804187. PMID: 30799751.
  24. Meichenbaum DH. Cognitive behavior modification. New York, NY: Plenum Press; 1977. 
  25. Wolpe J. Reciprocal inhibition as the main basis of psychotherapeutic effects. AMA Arch Neurol Psychiatry. 1954 Aug;72(2):205-26. doi: 10.1001/archneurpsyc.1954.02330020073007. PMID: 13180056.

COMO A BALANÇA PODE AJUDAR

A Balance RehabClinic é uma provedora líder de tratamento de dependência de luxo e saúde mental para indivíduos ricos e suas famílias, oferecendo uma mistura de ciência inovadora e métodos holísticos com atendimento individualizado incomparável.

UM MÉTODO EXCLUSIVO

Um conceito bem-sucedido e comprovado com foco em causas subjacentes.
UM CLIENTE POR VEZ
ABORDAGEM DURADOURADA PERSONALIZADA
RESTAURAÇÃO BIOQUÍMICA
MULTIDISCIPLINAR E HOLÍSTICO
TRATAMENTO BASEADO EM TECNOLOGIA
TERAPIA INFORMADA DE TRAUMA

ABORDAGEM DURADOURO

0 Antes

Enviar solicitação de admissão

0 Antes

Definir metas de tratamento

1 semana

Avaliações abrangentes e desintoxicação

1-4 semana

Terapia física e mental contínua

4 semana

Terapia Familiar

5-8 semana

Sessões de acompanhamento pós-tratamento

12+ semana

Visitas de atualização

Saúde Mental Percepções

últimas notícias e pesquisas sobre Saúde Mental
Fobia sintomas
Fobia: Compreender Para Combater

Determinar as fobias “mais perigosas” é subjetivo, pois o impacto varia de acordo com as experiências e circunstâncias individuais

read more
transtorno de borderline
O que é transtorno de borderline

A compreensão das causas do Transtorno de Personalidade Borderline é um desafio, pois múltiplos fatores contribuem para moldar essa condição, como, por exemplo

read more
depressão psicótica tem cura
Depressão Psicótica — Conheça as causas, e veja se tem cura

A depressão psicótica é uma condição psiquiátrica complexa e debilitante que combina os sintomas da depressão com a presença de sintomas psicóticos

read more
como tratar um narcisista
Narcisismo Como lidar

A terapia cognitivo-comportamental é um tipo de terapia que pode ser usada para tratar o transtorno de personalidade narcisista

read more

Acreditações

 
NeuroCare
TAA
ssaamp
Somatic Experience
SMGP
SEMES
SFGU
WPA
red GDPS
pro mesotherapie
OGVT
AMF
NeuroCademy
MEG
institute de terapie neural
ifaf
FMH
EPA
EMDR
COPAO
COMIB
British Psychology Society
 

Media

 
Live Science
Woman & Home
National World
American Banker
Marie Claire
BBC
La Nacion
Metro UK
General Anzeiger
Mallorca Magazin
Dazed
Apartment Therapy
Express UK
Bloomberg
Cosmopolitan
Morgenpost
Manager Magazin
Entrepreneur ME
HighLife
Psychreg
DeluxeMallorca
BusinessInsider
ProSieben
Sat1
Focus
Taff
TechTimes
PsychologyToday
abcMallorca
LuxuryLife
Mirror UK
Mallorca Zeitung
Daily Mail
Guardian
Business Leader