ESPECIALIZAÇÃO MÉDICA SUÍÇA: ZURIQUE, MAIORCA, LONDRES, NOVA IORQUE

10 Minutos

Clinicamente editado e revisado por THE BALANCE Esquadrão
Fato verificado

Distúrbio do sono comum que pode dificultar o adormecimento, a permanência no sono ou fazer com que você acorde muito cedo e não consiga voltar a dormir. A insônia é uma condição clínica comum caracterizada pela dificuldade de iniciar ou manter o sono, acompanhada de sintomas como irritabilidade ou fadiga durante a vigília.
A prevalência do distúrbio de insônia é de aproximadamente 10% a 20%, sendo que cerca de 50% têm um curso crônico. A insônia é um fator de risco para a função prejudicada, o desenvolvimento de outros distúrbios médicos e mentais e o aumento dos custos de saúde (1).

l de energia e o seu humor, mas também a sua saúde, o seu desempenho no trabalho e a sua qualidade de vida.

A insônia pode ser classificada como de curto prazo (aguda) ou de longo prazo (crônica). A insônia de curto prazo dura dias ou semanas e geralmente é resultado de estresse ou de um evento traumático. A insônia de longo prazo dura um mês ou mais e pode ter várias causas subjacentes.

Alguns dos principais sintomas da insônia podem incluir dificuldade para adormecer à noite, acordar durante a noite, acordar muito cedo, não se sentir bem descansado após uma noite de sono, cansaço ou sonolência diurna, irritabilidade, depressão ou ansiedade, dificuldade para prestar atenção, concentrar-se em tarefas ou lembrar-se e aumento de erros ou acidentes.

A insônia pode ser causada por uma variedade de fatores, incluindo fatores psicológicos, condições médicas, medicamentos, fatores de estilo de vida, fatores ambientais, trabalho em turnos e jet lag e má higiene do sono.

O que causa insônia?

Causas da insônia

A etiologia e a fisiopatologia da insônia envolvem fatores genéticos, ambientais, comportamentais e fisiológicos que culminam em hiperexcitação. O diagnóstico de insônia é estabelecido por um histórico completo de comportamentos de sono, problemas médicos e psiquiátricos e medicamentos, complementado por um registro prospectivo dos padrões de sono (diário de sono) (1).

  1. Fatores psicológicos:
  • Estresse, seja relacionado ao trabalho, relacionamentos, finanças ou outros aspectos da vida (2);
  • Ansiedade: o transtorno de ansiedade generalizada, o transtorno do pânico, o transtorno de estresse pós-traumático e outros transtornos de ansiedade (3);
  • Depressão: geralmente está associada a mudanças nos padrões de sono. Alguns indivíduos podem ter insônia, enquanto outros podem ter hipersonia (sonolência excessiva). Os distúrbios do sono são sintomas comuns da depressão (4);
  • Trauma: as pessoas que passaram por um evento traumático podem sofrer de insônia devido a pesadelos, flashbacks e excitação elevada (5);
  • Transtornos psicopatológicos, como transtorno bipolar, transtorno obsessivo-compulsivo e esquizofrenia (6);
  • Padrões de comportamento, como o uso excessivo de dispositivos eletrônicos antes de dormir (7), a participação em atividades estimulantes perto da hora de dormir ou horários irregulares de sono.
  1. Condições médicas:

Algumas condições médicas comuns associadas à insônia incluem:

  • Dor crônica: artrite, fibromialgia, dor nas costas, enxaqueca e outros distúrbios de dor crônica podem dificultar a localização de uma posição confortável para dormir (8);
  • Distúrbios respiratórios: apneia do sono, asma, doença pulmonar obstrutiva crônica e outros problemas respiratórios podem causar interrupções na respiração durante o sono, levando a um sono fragmentado e de baixa qualidade (9);
  • Distúrbios gastrointestinais: doença do refluxo gastroesofágico, síndrome do intestino irritável e úlceras pépticas podem causar desconforto, dor ou indigestão, o que pode interferir no sono (10);
  • Distúrbios neurológicos: mal de Parkinson, mal de Alzheimer, epilepsia e síndrome das pernas inquietas podem interromper os padrões de sono (11);
  • Distúrbios hormonais: hipertireoidismo, hipotireoidismo e desequilíbrios hormonais (por exemplo, menopausa) (12);
  • Condições cardiovasculares: insuficiência cardíaca, doença arterial coronariana e condições associadas à pressão alta podem afetar a qualidade do sono (14).
  1. Medicamentos:

É importante observar que nem todos terão insônia ao tomar esses medicamentos, e a gravidade do efeito colateral pode variar de pessoa para pessoa. Alguns exemplos de medicamentos que podem contribuir para a insônia incluem:

  • Estimulantes usados para tratar o transtorno de déficit de atenção/hiperatividade, como o metilfenidato e as anfetaminas, podem aumentar o estado de alerta (15);
  • Antidepressivos, principalmente aqueles que afetam os níveis de serotonina. Alguns exemplos são os inibidores seletivos da recaptação de serotonina, como a fluoxetina, a sertralina e os antidepressivos tricíclicos, como a amitriptilina (16);
  • Corticosteróides, normalmente usados para reduzir a inflamação. Os exemplos incluem prednisona e dexametasona (17);
  • Broncodilatadores usados para tratar asma e outros problemas respiratórios, como o albuterol, podem ter efeitos estimulantes (18);
  • Hormônios da tireoide: doses excessivas de hormônios da tireoide, usados para tratar o hipotireoidismo (19);
  • Beta-bloqueadores para tratar a pressão alta e determinados problemas cardíacos. Alguns exemplos são o propranolol e o metoprolol (20);
  • Descongestionantes de venda livre que contêm pseudoefedrina ou fenilefrina podem estimular o sistema nervoso central e causar dificuldade para adormecer (21).
  1. Estilos de vida:

Vários fatores de estilo de vida (22) podem contribuir para a insônia ou perturbar os padrões de sono. Esses fatores incluem:

  • Horário de sono irregular: padrões de sono inconsistentes, como mudanças frequentes na hora de dormir ou de acordar, podem interromper o ciclo natural de sono-vigília do corpo e dificultar o adormecimento ou a permanência no sono;
  • Consumo de cafeína, nicotina e álcool: o consumo de bebidas com cafeína (por exemplo, café, chá, bebidas energéticas) ou de produtos com nicotina perto da hora de dormir pode ter efeitos estimulantes e perturbar o sono. Embora o álcool possa inicialmente fazer você se sentir sonolento, ele pode interferir na qualidade do sono e causar despertares durante a noite;
  • Falta de atividade física: um estilo de vida sedentário sem exercícios regulares pode levar ao excesso de energia e à inquietação, o que dificulta a obtenção de um sono reparador;
  • Cochilos excessivos: cochilos longos ou tardios podem interromper o ritmo natural do sono do corpo, dificultando o adormecimento à noite;
  • Uso de substâncias e consumo de álcool: o consumo de álcool, principalmente perto da hora de dormir, pode afetar negativamente a qualidade do sono. Da mesma forma, o uso de substâncias como cafeína, nicotina e determinados medicamentos pode interferir no sono;
  • Ambiente de sono desconfortável: fatores como ruído excessivo, colchão ou travesseiro desconfortável, luzes fortes ou temperatura inadequada podem perturbar o sono.
  1. Fatores ambientais:

Os fatores ambientais (23) podem afetar significativamente a qualidade do sono e contribuir para a insônia. 

  • Excesso de ruído, como tráfego, vizinhos barulhentos ou sons domésticos, pode interromper o sono e dificultar a adormecer ou permanecer dormindo. Até mesmo pequenos sons podem ser incômodos para algumas pessoas;
  • A luz brilhante, seja natural ou artificial, pode interferir no ciclo natural de sono-vigília do corpo. A exposição à luz, especialmente à luz azul emitida por dispositivos eletrônicos como smartphones e tablets, perto da hora de dormir pode suprimir a liberação de melatonina, um hormônio que ajuda a regular o sono;
  • Temperatura e umidade: um ambiente desconfortável para dormir, como um quarto muito quente, muito frio, muito úmido ou sem ventilação adequada;
  • Qualidade da roupa de cama e do colchão: travesseiros, colchões ou roupas de cama desconfortáveis ou que não ofereçam suporte podem contribuir para o desconforto físico;
  • Dispositivos eletrônicos: o uso de dispositivos eletrônicos, como smartphones, tablets ou laptops, perto da hora de dormir pode estimular o cérebro e interferir no início do sono. Além disso, a luz azul emitida por esses dispositivos pode interromper a produção de melatonina;
  • Interrupções no ambiente do sono: mudanças no ambiente do sono, como viagens, mudança para um novo local ou dormir em uma cama desconhecida, podem interromper o sono e contribuir para a insônia transitória.
O que é insônia?
  1. Fatores relacionados ao trabalho:

Alguns fatores comuns relacionados ao trabalho (24) que podem causar ou piorar a insônia incluem:

  • Altos níveis de estresse relacionado ao trabalho, pressão ou ambientes de trabalho exigentes podem levar a uma maior excitação mental e dificuldade para relaxar;
  • Horários irregulares: trabalho em turnos, turnos noturnos ou horários de trabalho irregulares podem interromper o ciclo natural de sono-vigília do corpo e dificultar o estabelecimento de uma rotina de sono;
  • Cargas de trabalho pesadas, prazos apertados ou demandas excessivas de carga de trabalho podem gerar ansiedade e pensamentos acelerados;
  • Viagens de negócios frequentes ou viagens em diferentes fusos horários podem perturbar o ritmo circadiano do corpo e contribuir para o jet lag e os distúrbios do sono;
  • Preocupações com a segurança no emprego, avaliações de desempenho ou conflitos relacionados ao trabalho podem causar ansiedade ou preocupação que persistem mesmo fora do horário de trabalho, dificultando o relaxamento e o sono;
  • Ambientes de trabalho desconfortáveis ou estressantes, como escritórios barulhentos, iluminação inadequada ou culturas de trabalho de alta pressão, podem aumentar os níveis de estresse e afetar negativamente a qualidade do sono.
insônia secundária
  1. Deficiente higiene do sono:

Práticas inadequadas de higiene do sono (25) podem contribuir para a insônia:

  • Padrões de sono inconsistentes, como mudanças frequentes na hora de dormir ou de acordar, podem interromper o ciclo natural de sono-vigília do corpo;
  • Envolver-se em atividades mental ou fisicamente estimulantes perto da hora de dormir, como exercícios intensos, assistir a programas de TV estimulantes, usar dispositivos eletrônicos ou trabalhar em tarefas exigentes;
  • Hábitos diurnos irregulares, como horários irregulares das refeições, falta de atividade física, cochilos diurnos excessivos ou exposição à luz intensa no final do dia;
  • Associar a cama a outras atividades que não o sono (por exemplo, trabalhar, assistir à TV, usar aparelhos eletrônicos) pode enfraquecer a conexão entre a cama e o sono;
  • Falta de técnicas de relaxamento: a não incorporação de técnicas de relaxamento na rotina da hora de dormir, como meditação, exercícios de respiração profunda, relaxamento muscular progressivo ou atividades calmantes, como ler ou tomar um banho quente.

Revisões quantitativas da literatura (meta-análises) apoiam a eficácia de intervenções comportamentais, cognitivas e farmacológicas para a insônia. As intervenções comportamentais breves e a terapia cognitivo-comportamental pela Internet são promissoras para uso em ambientes de atenção primária. 

Entre as intervenções farmacológicas, a maior parte das evidências é referente aos medicamentos agonistas dos receptores de benzodiazepínicos, embora as preocupações persistentes se concentrem em sua segurança em relação à eficácia modesta. Os tratamentos comportamentais devem ser usados sempre que possível, e os medicamentos devem ser limitados à menor dose necessária possível e à menor duração necessária (1).

Na luxuosa clínica The Balance, em Maiorca, Espanha, o tratamento para insônia é uma prática multidisciplinar consolidada numa equipe de profissionais de saúde altamente diferenciada. Aqui, o paciente poderá realizar sua recuperação dos distúrbios do sono num ambiente reservado, exclusivo e privado.

(1) Buysse DJ. Insomnia. JAMA. 2013 Feb 20;309(7):706-16. 

(2) Kalmbach DA, Anderson JR, Drake CL. The impact of stress on sleep: Pathogenic sleep reactivity as a vulnerability to insomnia and circadian disorders. J Sleep Res. 2018 Dec;27(6):e12710. 

(3) Chellappa SL, Aeschbach D. Sleep and anxiety: From mechanisms to interventions. Sleep Med Rev. 2022 Feb;61:101583. 

(4) Baglioni C, Battagliese G, Feige B, Spiegelhalder K, Nissen C, Voderholzer U, Lombardo C, Riemann D. Insomnia as a predictor of depression: a meta-analytic evaluation of longitudinal epidemiological studies. J Affect Disord. 2011 Dec;135(1-3):10-9. 

(5) Sinha SS. Trauma-induced insomnia: A novel model for trauma and sleep research. Sleep Med Rev. 2016 Feb;25:74-83. doi: 10.1016/j.smrv.2015.01.008. Epub 2015 Feb 4. 

(6) Huang P, Zou Y, Zhang X, Ye X, Wang Y, Yu R, Yang S. The Causal Effects of Insomnia on Bipolar Disorder, Depression, and Schizophrenia: A Two-Sample Mendelian Randomization Study. Front Genet. 2021 Oct 11;12:763259.

(7) Shechter A, Kim EW, St-Onge MP, Westwood AJ. Blocking nocturnal blue light for insomnia: A randomized controlled trial. J Psychiatr Res. 2018 Jan;96:196-202.

(8) Ostovar-Kermani T, Arnaud D, Almaguer A, Garcia I, Gonzalez S, Mendez Martinez YH, Surani S. Painful Sleep: Insomnia in Patients with Chronic Pain Syndrome and its Consequences. Folia Med (Plovdiv). 2020 Dec 31;62(4):645-654.

(9) Dodge R, Cline MG, Quan SF. The natural history of insomnia and its relationship to respiratory symptoms. Arch Intern Med. 1995 Sep 11;155(16):1797-800.

(10) Khanijow V, Prakash P, Emsellem HA, Borum ML, Doman DB. Sleep Dysfunction and Gastrointestinal Diseases. Gastroenterol Hepatol (N Y). 2015 Dec;11(12):817-25.

(11) Provini F, Lombardi C, Lugaresi E. Insomnia in neurological diseases. Semin Neurol. 2005 Mar;25(1):81-9.

FAQS

COMO A BALANÇA PODE AJUDAR

A Balance RehabClinic é uma provedora líder de tratamento de dependência de luxo e saúde mental para indivíduos ricos e suas famílias, oferecendo uma mistura de ciência inovadora e métodos holísticos com atendimento individualizado incomparável.

UM MÉTODO EXCLUSIVO

Um conceito bem-sucedido e comprovado com foco em causas subjacentes.
UM CLIENTE POR VEZ
ABORDAGEM DURADOURADA PERSONALIZADA
RESTAURAÇÃO BIOQUÍMICA
MULTIDISCIPLINAR E HOLÍSTICO
TRATAMENTO BASEADO EM TECNOLOGIA
TERAPIA INFORMADA DE TRAUMA

ABORDAGEM DURADOURO

0 Antes

Enviar solicitação de admissão

0 Antes

Definir metas de tratamento

1 semana

Avaliações abrangentes e desintoxicação

1-4 semana

Terapia física e mental contínua

4 semana

Terapia Familiar

5-8 semana

Sessões de acompanhamento pós-tratamento

12+ semana

Visitas de atualização

Distúrbios Crônicos Percepções

últimas notícias e pesquisas sobre Distúrbios Crônicos
Como tratar insônia
Como tratar insônia - Dicas para dormir melhor

Agora que você já conhece um pouco mais sobre o problema, saiba que existem diversas estratégias e abordagens sobre como acabar com a insonia e suas condições

read more
Insônia
Insônia

Alguns dos principais sintomas da insônia podem incluir dificuldade para adormecer à noite, acordar durante a noite, acordar muito cedo

read more

Acreditações

 
NeuroCare
TAA
ssaamp
Somatic Experience
SMGP
SEMES
SFGU
WPA
red GDPS
pro mesotherapie
OGVT
AMF
NeuroCademy
MEG
institute de terapie neural
ifaf
FMH
EPA
EMDR
COPAO
COMIB
British Psychology Society
 

Media

 
Dazed
National World
American Banker
Marie Claire
BBC
La Nacion
Metro UK
General Anzeiger
Live Science
Woman & Home
Apartment Therapy
Express UK
Bloomberg
Cosmopolitan
Morgenpost
Manager Magazin
Entrepreneur ME
Khaleej Times
HighLife
Psychreg
DeluxeMallorca
BusinessInsider
ProSieben
Sat1
Focus
Taff
TechTimes
PsychologyToday
abcMallorca
LuxuryLife
Mirror UK
Mallorca Zeitung
Daily Mail
Guardian
Business Leader
Mallorca Magazin