ESPECIALIZAÇÃO MÉDICA SUÍÇA: ZURIQUE, MAIORCA, LONDRES, NOVA IORQUE

7 Minutos

Clinicamente editado e revisado por THE BALANCE Esquadrão
Fato verificado

Uma crise de pânico corresponde a um período relativamente longo de extrema ansiedade. Esta hipersensibilidade em que se encontra alguém que atravessa uma crise de pânico, tanto pode ser desencadeada repentinamente, como após repetidos episódios de ansiedade.

Uma crise de pânico é uma resposta de fuga, luta ou escape ao medo, e surge para lidar com determinado trauma, conflito ou situação de extremo sofrimento. É o cerebro que desencadeia esta reação como defesa, e na sua sequência, são possíveis de detetar alguns sintomas físicos típicos deste tipo de episódio ameaçador. Por exemplo, é comum que o coração aumente os batimentos cardíacos, entre outros sintomas possíveis.

Uma crise de pânico é uma reação fisiológica a um distúrbio psíquico momentâneo. Sendo que um dos fatores que melhor define e caracteriza uma crise de pânico é a presença abrupta do medo. Qualquer medo direcionado pode desencadear um ataque de pânico caso a pessoa não esteja preparada para o detetar, e consequentemente, minimizar.

Uma crise de panico pode surgir por qualquer motivo, desde que esse motivo seja um fator de preocupação para a pessoa em causa. E enquanto não for acompanhada a situação, a pessoa, por profissionais terapeutas, a probabilidade de continuara a acontecer é grande – o que pode afetar enormemente vários parametros da vida pessoal da vítima.

“Todos os homens têm medo. 

Quem não tem medo não é normal; isso nada tem a ver com a coragem.”

Jean-Paul Sartre

No fundo, uma crise de pânico é um escape da pessoa para um mal maior. Por muitos terapeutas, a crise de pânico é referenciada como o último aviso antes do sistema interno entrar em colapso absoluto.

Não devemos, por isso, ignorar uma crise de pânico, e sim, trabalhá-la com profissionais da área que ajudem a pessoa a perceber como se comportar de uma próxima vez. E sobretudo, de onde vem esse trauma. Ou porque vem.

Características mais comuns das crises de pânico 

  • Espontâneas e inesperadas
  • Recorrentes e periódicas
  • Rápidas e violentas

Cada pessoa lida de forma muito própria com os seus próprios traumas. Vários são os sintomas que uma pessoa pode ter antes de iniciar uma crise de pânico. Por vezes, um único sintoma coexiste antes da crise de pânico, outras vezes, a pessoa atravessa quase todos os sintomas da crise de pânico.

Em termos físicos, existem de facto alguns sintomas que podemos associar à crise de pânico, e que podem facilmente ser reconhecidos por qualquer pessoa que esteja por perto. Aprenda a reconhecer os sintomas da crise de pânico, e saiba como se ajudar, ou ajudar alguém num episódio de transtorno de pânico.

  • Tonturas
  • Náuseas
  • Dificuldade em respirar, ou falta de ar
  • Suores frios e/ou transpiração quente excessiva
  • Palpitações 
  • Taquicardia (frequência cardíaca)
  • Sensação de pressão no peito, ou mesmo dor torácica
  • Sensação de desmaio

Em termos biológicos, uma crise de pânico ou ataque de pânico pode ser explicado da seguinte forma:

As redes neuronais do nosso cérebro manifestam alterações específicas que se detetam facilmente durante uma crise de pânico. Através da imagiologia e recentes técnicas da ciência biomédica, podemos perceber múltiplas alterações a nível:

  • Do sistema nervoso central
  • Da amígdala
  • Do córtex anterior e frontal
  • Do hipotálamo

Devemos ter em conta que um ataque de pânico pode acontecer sem razão aparente. Seria necessário um estudo psicoterapêutico e acompanhamento mais profundos para que se descobrissem as suas verdadeiras causas. Por outro lado, é comum que uma crise de pânico advenha em comorbilidade com qualquer outra doença que faça parte da vida da pessoa.

Em situações mais comuns de uma crise, são vários os fatores que podem desencadear uma crise de pânico. A psique da pessoa faz com que o corpo entre em “modo de fuga”, na sequência de fatores como:

  • Ansiedade
  • Depressão
  • Stress profissional
  • Fobias 
  • Medo de morrer
  • Perda de um ente querido
  • Medo de perder o controlo das emoções 
  • Desespero de solidão e ausência de ajuda
  • Perda de sentido de identidade

Após a perceção de qualquer destes sintomas, ou mais do que um, é importante que a pessoa saiba como retornar à normalidade. Ou que, no mínimo, saiba como não deixar os sintomas extrapolarem demasiado.

Fatores que fazem aumentar a intensidade da crise de panico são:

  • O próprio medo antecipado de não conseguir controlar a situação
  • Fatores externos não cessantes, tais como: um acidente ou morte de alguém, crise de asma, doença crónica, etc…
  • Fatores internos descontrolados, tais como: pensamentos, imagens, sentimentos

Uma crise pânico tem uma duração variável. Dependendo de pessoa para pessoa, e do trauma que está a ser vivenciado, a crise de pânico pode durar mais, ou menos tempo.

Porém, é de geral conhecimento de que o auge da crise de pânico surge ao fim de 10 ou 15 minutos do início do episódio traumático que despoletou o ataque de pânico. 

O “pico” de uma crise de pânico situa-se no intervalo de tempo dos dez minutos, e pode acontecer em qualquer circunstância do dia a dia, tal como, dormir, conduzir, trabalhar, etc…

Qualquer momento pode ser o momento de uma crise de pânico sempre que a pessoa conviva com uma perturbação a nível mental, da psique ou do foro emocional, e que esteja a causar sofrimento profundo para si.

Não existem perfis exatos de pessoas que sofrem ataques de pânico. Qualquer pessoa pode atravessar uma crise de pânico.

Existe porém, uma propensão para que aconteça em determinado tipo de pessoas, nomeadamente, as que convivam longamente com episódios de ansiedade ou depressão.

No entanto, é muito comum que, pessoas que nunca revelaram episódios de ansiedade ou depressão, e que, aparentemente saibam lidar bem com situações de stress, venham igualmente a viver um episódio de crise de pânico.

É possível sim. No entanto, isto requer uma enorme determinação da pessoa lesada, e uma enorme vontade de controlar as suas emoções e bloqueios emocionais.

Consegue-se controlar, prever ou mesmo evitar uma crise de pânico recorrendo ao devido acompanhamento, em sintonia com um terapeuta que tenha interesse em perceber a possível causa para os ataques de pânico, e apontar soluções aplicáveis no momento exato.

Mesmo que se recorra a fármacos numa fase inicial, é expectável que, com o passar do tempo, e com uma procura pelo autoconhecimento, se atinja o controlo quase absoluto.

Uma crise de pânico acontece sob um estado exacerbado de stress. Quer advenha de um episódio de perigo real, ou não, a pessoa lesada sente muitas vezes que está perante uma morte eminente, ou um beco sem saída.

Porém, com o devido esclarecimento, ou mesmo na sequência de um acompanhamento profissional e direcionado, é possível prever ou minimizar os efeitos de uma crise de pânico.

Muitas vezes, a solução passa simplesmente por uma mudança de estilo de vida. Ou por conseguir detetar pelo mais leve sintoma, que uma crise de pânico se aproxima, e assim agir em conformidade.

FAQs

COMO A BALANÇA PODE AJUDAR

A Balance RehabClinic é uma provedora líder de tratamento de dependência de luxo e saúde mental para indivíduos ricos e suas famílias, oferecendo uma mistura de ciência inovadora e métodos holísticos com atendimento individualizado incomparável.

UM MÉTODO EXCLUSIVO

Um conceito bem-sucedido e comprovado com foco em causas subjacentes.
UM CLIENTE POR VEZ
ABORDAGEM DURADOURADA PERSONALIZADA
RESTAURAÇÃO BIOQUÍMICA
MULTIDISCIPLINAR E HOLÍSTICO
TRATAMENTO BASEADO EM TECNOLOGIA
TERAPIA INFORMADA DE TRAUMA

ABORDAGEM DURADOURO

0 Antes

Enviar solicitação de admissão

0 Antes

Definir metas de tratamento

1 semana

Avaliações abrangentes e desintoxicação

1-4 semana

Terapia física e mental contínua

4 semana

Terapia Familiar

5-8 semana

Sessões de acompanhamento pós-tratamento

12+ semana

Visitas de atualização

Saúde Mental Percepções

últimas notícias e pesquisas sobre Saúde Mental
Fobia sintomas
Fobia: Compreender Para Combater

Determinar as fobias “mais perigosas” é subjetivo, pois o impacto varia de acordo com as experiências e circunstâncias individuais

read more
transtorno de borderline
O que é transtorno de borderline

A compreensão das causas do Transtorno de Personalidade Borderline é um desafio, pois múltiplos fatores contribuem para moldar essa condição, como, por exemplo

read more
depressão psicótica tem cura
Depressão Psicótica — Conheça as causas, e veja se tem cura

A depressão psicótica é uma condição psiquiátrica complexa e debilitante que combina os sintomas da depressão com a presença de sintomas psicóticos

read more
como tratar um narcisista
Narcisismo Como lidar

A terapia cognitivo-comportamental é um tipo de terapia que pode ser usada para tratar o transtorno de personalidade narcisista

read more

Acreditações

 
NeuroCare
TAA
ssaamp
Somatic Experience
SMGP
SEMES
SFGU
WPA
red GDPS
pro mesotherapie
OGVT
AMF
NeuroCademy
MEG
institute de terapie neural
ifaf
FMH
EPA
EMDR
COPAO
COMIB
British Psychology Society
 

Media

 
Live Science
Woman & Home
National World
American Banker
Marie Claire
BBC
La Nacion
Metro UK
General Anzeiger
Mallorca Magazin
Dazed
Apartment Therapy
Express UK
Bloomberg
Cosmopolitan
Morgenpost
Manager Magazin
Entrepreneur ME
HighLife
Psychreg
DeluxeMallorca
BusinessInsider
ProSieben
Sat1
Focus
Taff
TechTimes
PsychologyToday
abcMallorca
LuxuryLife
Mirror UK
Mallorca Zeitung
Daily Mail
Guardian
Business Leader