ESPECIALIZAÇÃO MÉDICA SUÍÇA: ZURIQUE, MAIORCA, LONDRES, NOVA IORQUE

11 Minutos

Clinicamente editado e revisado por THE BALANCE Esquadrão
Fato verificado

Quanto mais precocemente detectado o trauma de infância, mais fácil se torna a tarefa de reenquadrar aquela criança num ciclo de vida familiar saudável. Porém, a sua sinalização nem sempre é imediata, e depende da existência de serviços públicos qualificados capazes de intervir, ou de pessoas alheias atentas e capazes de denunciar.

Ao longo dos séculos, a violência intra familiar foi sendo reconhecida por cada país, sendo este reconhecimento um passo fulcral na promoção de medidas preventivas e de ação terapêutica junto da criança. O direito à proteção da criança está consagrado na Convenção Internacional sobre os Direitos da Criança (ONU) desde 1989, no entanto, há ainda muito para ser feito.

Os maus-tratos na infância são uma realidade atualmente reconhecida em todo o mundo. Muitas vezes proveniente de um estigma social que passa de geração em geração, este problema do âmbito da saúde pública requer intervenção social e cultural de fundo, de forma a repercutir uma mudança na mentalidade dos seus perpetradores – os cuidadores da criança.

Porém, os traumas de infância e rejeição podem deixar marcas emocionais profundas durante anos, e a maior parte das vezes, só uma terapia direcionada no âmbito da psicologia positiva poderá ajudar a pessoa a avançar para um estado de vida mais harmonioso e promissor.

A dimensão dos traumas psicológicos na infância pode tocar variadíssimas áreas do foro psíquico e emocional da criança:

  • Negligência

A negligência pressupõe “falta de capacidade” sobre determinada matéria. No caso da negligência no cuidado a crianças, advém muitas vezes de mães imaturas e demasiado jovens que não conseguem perceber a dimensão da responsabilidade que têm por diante. Este é um dos tipos de traumas psicológicos na infância mais comuns e transversais na sociedade.

Por outro lado, pais em situação de depressão, luto ou sofrimento prolongado podem igualmente descurar as necessidades básicas da criança – mesmo não padecendo de uma perturbação psicótica. Este tipo de negligência pode igualmente causar um trauma de infância por rejeição.

  • Maus-tratos físicos

Agressão física de forma cíclica na criança, tal como cortes, aranhões, contusões, ossos quebrados ou queimaduras. Decorrente de algum tipo de distúrbio do cuidador que usa a fragilidade e submissão inerente à criança para perpetrar repetidamente este tipo de violência doméstica e familiar. Tornou-se um tipo de resposta por parte dos pais que carecem de uma estrutura mental sólida e equilibrada.

  • Abuso sexual

O abuso sexual de crianças sempre existiu. É hoje uma prática mais facilmente denunciada e por isso mesmo tenderá a desencorajar os seus agressores. No entanto, é uma realidade que envolve ainda milhares de milhões de processos em todo o mundo, e que continua a deixar marcas profundas em toda a criança vítmima de abusos sexuais.

O abuso sexual desencadeia sempre um tipo de perturbação do foro psicológico na criança, seja ele de ansiedade, descompensação psicótica ou depressão mental que deve ser tratada o mais precocemente possível através de terapia. É o tipo de trauma que pode levar ao suicídio devido ao estigma de vergonha e culpa irrealisticamente sentidos pela criança, e que qualquer terapêuta pode ajudar a desmistificar, desculpabilizando naturalmente a vítima.

  • Maus-tratos psicológicos

Os maus-tratos deixam sempre uma marca psicológica na criança – seja de que natureza forem. Este tipo de trauma decorre quase sempre da relação entre o adulto cuidador e a criança, e interfere com o nível de afeto, segurança e equilíbrio ausentes na relação familiar. 

Por exemplo, o Sindrome de Munchausen, é uma forma mais rara de trauma psicológico que consiste na invenção e/ou criação de sintomas na criança por parte do próprio adulto de forma intencional. A criança acaba sendo hospitalizada sempre que a perturbação psiquiátrica do adulto for grave. 

  • Perda do cuidador

Hoje em dia as casas e lares para crianças são uma realidade em todo o mundo. Servem para colmatar a falta do cuidador na vida daquela criança. Porém, muitas situações existem em que a criança fica abandonada até que seja sinalizada por qualquer instituição ou serviço social que a acolha, e reencaminhe. Este episódio é responsável por traumatizar a criança, por vezes de forma irreversível. 

  • Desastres naturais

Traumas provenientes de catástrofes naturais e acidentes externos vivenciados pela criança, tais como, incêndios, inundações, furações ou deslocação de refugiados podem deixar marcas profundas na criança.

Num estudo levado a cabo incidindo sobre 400 famílias perpetuadoras de maus-tratos a crianças, Kempe classificou o perfil dos cuidadores do seguinte modo :

  • 5% são francamente psicóticos
  • 5% são psicopatas agressivos
  • 90% não demonstravam psicopatologia, mas eram notórios sérios problemas na relação parental 

Kempe (1978) identifica um historial comum destes pais como tendo sido filhos igualmente negligenciados pelos próprios pais. É pois comum identificar que houve maus-tratos e falta de amor durante o seu desenvolvimento – o que contribui enormemente para um crescente sentimento de frustração pessoal, nunca sanado, e que muito comumente vem à superfície quando se tornam eles próprios pais de filhos, por se sentirem frustrados, ao não verem nos filhos a concretização das suas expectativas.

Segundo o manual da psicologia e psiquiatria da infância e adolescência, podemos identificar os seguintes denominadores comuns no passado dos agressores:

  • Vítimas de abandono ou violência física na infância
  • Baixo nível de autoestima
  • Controlo de agressividade e impulsividade deficitários
  • Hipersensibilidade a críticas e ausência de culpabilidade (auto-responsabilização)
  • Vitimas de depressão não curada
  • Fraca definição de diferenciação de papéis entre pais e filhos, ou entre pai e mãe, e que podem conduzir ao consentimento do mau-trato intra familiar
  • Nível de expectativas sobre os filhos pouco realista 

Determinadas crianças serão sempre alvos mais fáceis de maus-tratos. Falamos de crianças com temperamento irritável e de crianças de natureza doente e/ou deficiente (por exigem maiores cuidados e atenção). São por isso vítimas mais fáceis do que crianças alegres e saudáveis, e devem suscitar maior atenção por parte de técnicos e professores.

No entanto, a deteção dos maus-tratos na infância é muitas vezes dificultada pela tendência da própria criança em esconder tais factos, ou ainda pelo tardio reconhecimento por parte do técnico/professor de ausência de amor maternal. Por este motivo se torna essencial recolher a própria anamnese do cuidador, numa tentativa de catalogar o perfil do mesmo, e agir de forma preventiva.

A escuta empática e uma observação cuidadosa por parte dos técnicos e agentes sociais são essenciais à boa prevenção de maus-tratos na infância. Este pode ser o melhor antídoto.

Desta escuta ativa resulta a possibilidade de disponibilizar apoio individualizado ao cuidador depressivo por forma a ajudar na resolução dos problemas existentes no seio familiar. Muitas vezes, a terapia direcionada aos pais pode evitar casos dramáticos de violência infantil e doméstica.

Estes técnicos de acompanhamento e equipas multidisciplinares das escolas, centros juvenis, creches e lares de crianças são, por isso, peças essenciais à precoce deteção do que traumas de infância podem causar.

De que forma os traumas de infância afetam a vida adulta? Tal como vimos, um trauma de infância não tratado ou sanado, desencadeia muitas vezes um crescente sentimento de frustração e déficit de autoestima no adulto

Um filho negligenciado pode tornar-se um pai negligente. O trauma de infância e rejeição inerentes sentidos pela criança podem deixar marcas demasiado profundas, e que só poderão ser resolvidas com uma adequada terapia ao nível da psicologia positiva.

Alguns traumas da infância e suas consequências na vida adulta:

  • Comportamento agressivo passivo – é caracterizado pela tendência de isolamento que o ser humano exerce como resposta às situações de raiva vividas no passado, numa postura agressiva passiva, afastando de si quem se quiser aproximar.
  • Distúrbios de apego – resulta de traumas de infância vivenciados entre os 6 meses e os três anos de idade. Estas crianças revelam, por norma, dificuldades em estabelecer relações com os outros.
  • Estados alterados de consciência – quando a criança vivencia o trauma ao longo de vários anos, pode desenvolver um recorrente estado de consciencia dissociativo, que pode visitar de forma recorrente, e sem que consiga ter perceção disso mesmo. Este fenómeno funciona como um escape à realidade e pode perdurar ao longo da vida adulta.
  • Défice de controlo comportamental – é um comportamento implusivo e narcisista da criança que sofreu algum tipo de trauma infantil, e não desenvolveu a capacidade de controlar e equilibrar as suas emoções. Age de forma impulsiva para chamar a atenção de quem o rodeia. Uma atenção que não lhe foi dada enquanto criança.
  • Perturbação de Stress Pós-Traumático (PSPT, TEPT, PTSD) – Esta é uma resposta ao trauma de infância cada vez mais comum, e que se pode manifestar de diferentes formas, incluindo o suicídio. Necessita de acompanhamento médico.

O trauma psicológico da criança pressupõe sempre um jogo emocional com a criança por parte do cuidador. A componente psicológica da criança fica desta forma abalada estruturalmente, uma vez que ela se viu privada da sua dignidade emocional. Por este motivo, o trauma na infância e a psicanálise entrecruzaram-se no passado para encontrar respostas.

Freud havia definido na teoria psicanalítica que a neurose infantil é precursora da neurose adulta (Estudos sobre a Histeria, 1896). No entanto, posteriores analistas, nomeadamente Anna Freud, ajudaram a distinguir a neurose infantil do seu processo analítico, isto é, da neurose clínica (que nem sempre conduz a uma neurose de adulto (Lebovici, 1982)). 

Hoje, as psicoterapias psicodinâmicas redefiniram a neurose infantil e investem em variadíssimas abordagens da psicoterapia atual (de acordo com o DSM-5) sem menosprezar a pressão psicológica que o adulto exerce na criança, e o quão isto interfere com as suas emoções básicas como o amor-próprio, a autoestima e autoproteção. 

A intervenção e tratamento de maus-tratos na infância dependem da ação dos técnicos que vão avaliar os pais, as crianças, a relação entre ambos e o suporte social e familiar que as assiste. Deve a intervenção ser multidisciplinar e no mais breve curto espaço de tempo.

A possibilidade de afastamento dos pais e filhos deve ser sempre tida em conta por forma a minimizar as sequências nefastas do trauma decorrente. O ponto crucial deve ser sempre a proteção imediata da criança, dos seus direitos e segurança física e psicológica.

 A Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) é atualmente a abordagem mais comum e eficaz num vasto espectro de doenças do foro psicológico da criança, e provenientes de traumas de infância – sobretudo acima dos 7 anos de idade. Consiste em ajudar a criança a identificar os padroes de pensamento disfuncionais, e que estão na origem de comportamentos desadaptados e desagradáveis para a encaminhar para um “lugar mais seguro” dentro da sua própria mente.

As vantagens da abordagem psicoterapêutica

É uma abordagem mais holística dentro da psicoterapia e defende uma intervenção terapêutica de qualidade assente numa atitude positiva e acrítica; apologista do trato caloroso e de cordialidade; do respeito e do não julgamento incondicional perante a vítima. Pressupõe uma ressignificação de vida e cura emocional mais efetivas.

No documento oficial publicado em Diário da República Português “ação de saúde para crianças e jovens em risco” podemos considerar algumas abordagens-tipo de como superar traumas de infância, tais como:

  • Abordagem psicológica com as crianças, por forma a qualificar a profundidade do trauma e a intervenção necessária à sanação
  • Estabelecimento de uma aliança terapêutica familiar, em que será dada a oportunidade de verbalização dos danos e sofrimento causados numa tentativa de tomada de consciência por parte do cuidador.
  • Intervenção psicológico-psicoterapêutica, ajustada às deficiências da própria criança e traumas do cuidador. Cada familia deve ter uma resposta personalizada e ajustada à sua própria realidade – seja de cariz social, financeiro ou cultural.
  • Incentivo de círculos de atividade e reuniões familiares promotoras de bons hábitos e ressignificação dos traumas passados entre mães, pais e crianças vítimas de semelhante contexto sócio-cultural.

Tal como defendemos sempre na Clínica Balance, o importante é permitir uma abordagem holística à vítima de maus-tratos de forma a poder sanar por completo todas as mazelas vividas no passado. Todos os seus traumas não curados. 

Não se podendo mudar o passado, é totalmente possível ressignificá-lo, e atribuir-lhe novo valor. Nova vida.

FAQs

COMO A BALANÇA PODE AJUDAR

A Balance RehabClinic é uma provedora líder de tratamento de dependência de luxo e saúde mental para indivíduos ricos e suas famílias, oferecendo uma mistura de ciência inovadora e métodos holísticos com atendimento individualizado incomparável.

UM MÉTODO EXCLUSIVO

Um conceito bem-sucedido e comprovado com foco em causas subjacentes.
UM CLIENTE POR VEZ
ABORDAGEM DURADOURADA PERSONALIZADA
RESTAURAÇÃO BIOQUÍMICA
MULTIDISCIPLINAR E HOLÍSTICO
TRATAMENTO BASEADO EM TECNOLOGIA
TERAPIA INFORMADA DE TRAUMA

ABORDAGEM DURADOURO

0 Antes

Enviar solicitação de admissão

0 Antes

Definir metas de tratamento

1 semana

Avaliações abrangentes e desintoxicação

1-4 semana

Terapia física e mental contínua

4 semana

Terapia Familiar

5-8 semana

Sessões de acompanhamento pós-tratamento

12+ semana

Visitas de atualização

Saúde Mental Percepções

últimas notícias e pesquisas sobre Saúde Mental
Fobia sintomas
Fobia: Compreender Para Combater

Determinar as fobias “mais perigosas” é subjetivo, pois o impacto varia de acordo com as experiências e circunstâncias individuais

read more
transtorno de borderline
O que é transtorno de borderline

A compreensão das causas do Transtorno de Personalidade Borderline é um desafio, pois múltiplos fatores contribuem para moldar essa condição, como, por exemplo

read more
depressão psicótica tem cura
Depressão Psicótica — Conheça as causas, e veja se tem cura

A depressão psicótica é uma condição psiquiátrica complexa e debilitante que combina os sintomas da depressão com a presença de sintomas psicóticos

read more
como tratar um narcisista
Narcisismo Como lidar

A terapia cognitivo-comportamental é um tipo de terapia que pode ser usada para tratar o transtorno de personalidade narcisista

read more

Acreditações

 
NeuroCare
TAA
ssaamp
Somatic Experience
SMGP
SEMES
SFGU
WPA
red GDPS
pro mesotherapie
OGVT
AMF
NeuroCademy
MEG
institute de terapie neural
ifaf
FMH
EPA
EMDR
COPAO
COMIB
British Psychology Society
 

Media

 
Live Science
Woman & Home
National World
American Banker
Marie Claire
BBC
La Nacion
Metro UK
General Anzeiger
Mallorca Magazin
Dazed
Apartment Therapy
Express UK
Bloomberg
Cosmopolitan
Morgenpost
Manager Magazin
Entrepreneur ME
HighLife
Psychreg
DeluxeMallorca
BusinessInsider
ProSieben
Sat1
Focus
Taff
TechTimes
PsychologyToday
abcMallorca
LuxuryLife
Mirror UK
Mallorca Zeitung
Daily Mail
Guardian
Business Leader