ESPECIALIZAÇÃO MÉDICA SUÍÇA: ZURIQUE, MAIORCA, LONDRES, NOVA IORQUE

8 Minutos

Clinicamente editado e revisado por THE BALANCE Esquadrão
Fato verificado

Resultante de um distúrbio de ansiedade, o síndrome de pânico pode ser amenizado com o devido acompanhamento e tratamento. Existe sempre uma forma mais acertada de como tratar síndrome de pânico, e isso vai depender da pessoa em questão.

Com várias terapias e abordagens diferentes e possíveis, os tratamentos para ataque de pânico existem, e ajudam o paciente a evoluir do estado A para o estado B – muitas vezes, de forma efetiva.

O síndrome de pânico subentende que os ataques de pânico tanto possam surgir de forma recorrente e espaçada, num específico período de tempo, como de forma crónica, para o resto da vida.

A OMS estima que pelo menos 2 a 4% da população mundial seja afetada pela síndrome do pânico, sendo que é sempre possível amenizar estes afeitos se devidamente diagnosticados e acompanhados. A ciência dos dias de hoje acredita numa combinação de tratamentos para o síndrome de pânico que conjugam a farmacologia com a abordagem psicoterapêutica.

Para conseguir ajudar alguém com crise de pânico é preciso saber reconhecer os sintomas de uma crise de pânico. Nem todas as pessoas podem estar preparadas para o fazer, por isso vale a pena reter os seguintes sinais de alertaem relação a uma pessoa que pode estar na iminência de um ataque de pânico:

Sinais de alerta do foro psicológico:

  • Partilha do seu medo de morrer
  • Manifestação do medo de estar em público e/ou locais com demasiadas pessoas
  • Evitar ir a locais onde sofreu uma crise de pânico anterior
  • Confessar do próprio medo de perder o controlo e/ou ficar louco
  • Evitar de situações stressantes

Sempre que nos depararmos com uma pessoa manifestante de qualquer um destes receios, a ponto de deixar de fazer determinada coisa em prol dos mesmos, devemos ficar em alerta. A prevenção é muitas vezes a melhor forma de evitar males maiores, e no caso das crises de pânico, estas podem efetivamente ser atenuadas.

Nada é taxativo, e um ou mais dos sintomas referidos não implicam necessariamente uma futura crise de pânico, no entanto, permanecer em alerta ou tentar questionar um pouco mais a pessoa sobre o tema, pode efetivamente ajudá-la a procurar a devida ajuda profissional.

Sinais de alerta do foro fisiológico:

  • Tonturas
  • Náuseas
  • Dificuldade em respirar, ou falta de ar
  • Suores frios e/ou transpiração quente excessiva
  • Palpitações e/ou tremores
  • Taquicardia (frequência cardíaca)
  • Sensação de pressão no peito, ou mesmo dor torácica
  • Sensação de desmaio

Assim, sempre que nos depararmos com uma pessoa que, além de algum desconforto emocional demonstra algum destes sintomas, devemos estar atentos para ter de ajudar.

Existem duas abordagens possíveis para o tratamento da síndrome de pânico. É possível recorrer à ciência psiquiátrica, que irá diagnosticar a perturbação de pânico e prescrever a respetiva medicação antidepressiva. Esta abordagem pode ainda ser alternada ou complementada com a psicoterapia, tal como a terapia cognitivo-comportamental (TCC) por forma a aprofundar o tema, e poder tratá-lo de maneira mais holística.

Tratamento psiquiátrico:

São prescritos antidepressivos e benzodiazepinas que vão atenuar os sintomas dos ataques de pânico. Este é o tratamento de ação imediata, que idealmente será de curto prazo, mas que é fundamental para tranquilizar o paciente e “trazê-lo” de volta ao estado lúcido e consciente sobre a sua própria vida.

Tratamento psicoterapêutico:

A psicoterapia é a ciência que vai ajudar a pessoa a encontrar as causas dos ataques de pânico. Vai trabalhar no sentido de desmontar o enredo de ansiedade que a pessoa atravessa, e se bem sucedido, poderá resultar numa quase cura destes sintomas, bem como dos episódios de pânico.

O controlo efetivo das crises de pânico vai depender do acompanhamento que a pessoa tem após a primeira crise de pânico. Ao procurar apoio médico e profissional, a pessoa tem oportunidade de falar sobre os seus receios e desabafar sobre aquilo que mais a perturba no momento presente.

Tal como vimos, existem duas abordagem essenciais para controlar as crises de pânico: a psiquiátrica e a psicoterapêutica.

A primeira, psiquiátrica, pode não ser necessária em todos os casos – pois isso irá depender do grau de intensidade da crise de pânico que se sofreu. Recorre-se à farmacologia antidepressiva sempre que o episódio de crise de pânico tiver sido intenso e levado a pessoa a um internamento médico hospitalar. Os fármacos são fundamentais para tranquilizar a pessoa, e reenquadrá-la no seu estado normal.

A segunda abordagem, psicoterapêutica, deve ser considerada fundamental para a recuperação efetiva do paciente. Isto porque, aqui haverá espaço para aprofundar os bloqueios emocionais da pessoa, e dessa forma ajudá-la a ressignificar a sua propria realidade, e a intensidade do medo que sente. Aprende-se a relativizar o medo.

Passos para controlar uma crise de pânico:

Existem técnicas muito simples que, sendo aplicadas no momento exato, podem efetivamente evitar uma crise de pânico. Sempre que lhe vier à mente como conseguir a cura sozinha do síndrome do pânico, ou uma forma de conseguir aplicar um remédio para síndrome do pânico natural, tente os seguintes passos:

  1. Pensar: tente pensar num tema diferente daquele que desembocou os seus sintomas de aviso para uma possível crise de pânico. É como se estivesse a dar uma ordem ao seu cérebro para mudar os neurotransmissores de foco. Devie o seu foco de atenção para qualquer outro assunto, de preferência, positivo e mais inspirador.
  2. Sentir: sinta a sua respiração. Tome consciência daquilo que o seu corpo está efetivamente a sentir. Se são calafrios ou tremores, tome consciência disso e tente acalmar esse sintoma. Relaxe cada um dos músculos do seu corpo. Sente-se num lugar tranquilo e com luminosidade amena, e perceba a diferença entre contração/relaxamento corporal.
  3. Fazer: tenha perceção do ritmo da sua própria respiração. Acalme-se, inspirando e expirando profundamente, concentrando-se em cada inspiração e expiração.

Como vencer a síndrome do pânico, é uma preocupação para quem já passou pelo menos por um episódio destes. A sensação de se estar em público e não conseguir controlar os sintomas que o corpo lentamente revela, pode ser aflitiva, e deixar a pessoa em estado de ansiedade constante.

Por este motivo, a pesquisa afincada por tratamentos para ataque de pânico torna-se essencial enquanto ferramenta preventiva. Vale a pena investir no conhecimento de cura sozinha para síndrome do pânico, bem como de qualquer remédio para síndrome do pânico natural a que possa aceder, esteja onde estiver, esteja com quem estiver.

Invistir no autoconhecimento e aprender a prever uma crise de pânico antes de ela acontecer, pode melhorar enormemente a qualidade de vida. Ou ainda, aprender a programar a mente para um cenário futuro em que se saiba ter de enfrentar uma situação de desconforto maior. Lembre-se de que a ajuda profissional pode treinar a pessoa neste sentido.

FAQs

COMO A BALANÇA PODE AJUDAR

A Balance RehabClinic é uma provedora líder de tratamento de dependência de luxo e saúde mental para indivíduos ricos e suas famílias, oferecendo uma mistura de ciência inovadora e métodos holísticos com atendimento individualizado incomparável.

UM MÉTODO EXCLUSIVO

Um conceito bem-sucedido e comprovado com foco em causas subjacentes.
UM CLIENTE POR VEZ
ABORDAGEM DURADOURADA PERSONALIZADA
RESTAURAÇÃO BIOQUÍMICA
MULTIDISCIPLINAR E HOLÍSTICO
TRATAMENTO BASEADO EM TECNOLOGIA
TERAPIA INFORMADA DE TRAUMA

ABORDAGEM DURADOURO

0 Antes

Enviar solicitação de admissão

0 Antes

Definir metas de tratamento

1 semana

Avaliações abrangentes e desintoxicação

1-4 semana

Terapia física e mental contínua

4 semana

Terapia Familiar

5-8 semana

Sessões de acompanhamento pós-tratamento

12+ semana

Visitas de atualização

Saúde Mental Percepções

últimas notícias e pesquisas sobre Saúde Mental
Fobia sintomas
Fobia: Compreender Para Combater

Determinar as fobias “mais perigosas” é subjetivo, pois o impacto varia de acordo com as experiências e circunstâncias individuais

read more
transtorno de borderline
O que é transtorno de borderline

A compreensão das causas do Transtorno de Personalidade Borderline é um desafio, pois múltiplos fatores contribuem para moldar essa condição, como, por exemplo

read more
depressão psicótica tem cura
Depressão Psicótica — Conheça as causas, e veja se tem cura

A depressão psicótica é uma condição psiquiátrica complexa e debilitante que combina os sintomas da depressão com a presença de sintomas psicóticos

read more
como tratar um narcisista
Narcisismo Como lidar

A terapia cognitivo-comportamental é um tipo de terapia que pode ser usada para tratar o transtorno de personalidade narcisista

read more

Acreditações

 
NeuroCare
TAA
ssaamp
Somatic Experience
SMGP
SEMES
SFGU
WPA
red GDPS
pro mesotherapie
OGVT
AMF
NeuroCademy
MEG
institute de terapie neural
ifaf
FMH
EPA
EMDR
COPAO
COMIB
British Psychology Society
 

Media

 
Live Science
Woman & Home
National World
American Banker
Marie Claire
BBC
La Nacion
Metro UK
General Anzeiger
Mallorca Magazin
Dazed
Apartment Therapy
Express UK
Bloomberg
Cosmopolitan
Morgenpost
Manager Magazin
Entrepreneur ME
HighLife
Psychreg
DeluxeMallorca
BusinessInsider
ProSieben
Sat1
Focus
Taff
TechTimes
PsychologyToday
abcMallorca
LuxuryLife
Mirror UK
Mallorca Zeitung
Daily Mail
Guardian
Business Leader