ESPECIALIZAÇÃO MÉDICA SUÍÇA: ZURIQUE, MAIORCA, LONDRES, NOVA IORQUE

7 Minutos

Clinicamente editado e revisado por THE BALANCE Esquadrão
Fato verificado

Gaslighting: o significado do termo deriva do nome de uma longa-metragem (“Gaslight”) de 1944, no qual um homem (interpretado por Charles Boyer) manipula a sua esposa (Ingrid Bergman), levando-a ao isolamento social e a imaginar que sofre de uma doença mental.

Gaslighting

Gaslighting é uma forma de abuso psicológico mediante o qual uma pessoa ou grupo leva alguém a questionar a sua própria saúde mental, memórias ou perceção da realidade. Pessoas que experienciam este tipo de abusos psicológicos podem sentir-se confusas, ansiosas ou com falta de confiança em si mesmas.

É pertinente sublinhar que os abusadores de gaslighting não tentam levar as suas vítimas à loucura – pelo menos não de forma consciente – nem muitas vezes têm um objetivo definido para os seus atos (1)

De acordo com as teorias psicológicas (8), o gaslighting é uma forma insidiosa de abuso psicológico, manipulação e controlo. As vítimas de gaslighting são constante e deliberadamente alimentadas com informações falsas que as levam a questionar a verdade e muitas vezes a si próprias. 

Com o passar do tempo, o gaslighting pode tornar-se complexo e poderoso, dificultando a consciência por parte da vítima acerca do processo abusivo em que se encontra.

Este tipo de abuso visa ganhar domínio sobre outra pessoa. O seu modo de funcionamento consiste na destruição da confiança de outra pessoa em si própria, se possível incrementando a confiança da vítima no abusador.

No contexto das relações afetivas, o gaslighting tem início discreto, aumentando de forma gradual ao longo do tempo. O abusador conquista a confiança da vítima, muitas vezes com uma fase de “lua-de-mel”, onde nem sequer se verifica qualquer tipo de comportamento abusivo. Posteriormente, começa por sugerir que o parceiro não é de confiar, que é esquecido ou que é mentalmente instável.

Com o passar do tempo, este processo pode levar a vítima a questionar se o parceiro abusador não terá razão, o que, quanto mais acontecer, maior será o domínio do abusador sobre a vítima. Esta, ao ser incapaz de confiar em si própria, nas suas convicções e memórias, irá confiar absolutamente no parceiro abusador para tomar decisões, lembrar-se de eventos ou gerir a vida quotidiana.

Este comportamento tem inúmeras formas de expressão e acontece em diversos contextos do quotidiano, e não apenas no contexto doméstico. Algumas das formas de Gaslighting incluem:

Contraposição: acontece quando alguém questiona a memória que outra pessoa tem de determinado evento. Pode dizer coisas como “Tens a certeza acerca disso? A tua memória é fraca” ou “Acho que te estás a esquecer do que realmente aconteceu”.

Retraimento: este comportamento tem como finalidade levar a pessoa a questionar os seus próprios argumentos, dizendo expressões como “Estás a confundir-me, não entendo o que queres dizer” ou “Não faço ideia do que estás a falar”.

Trivialização: quando se desvalorizam ou menosprezam os argumentos ou os sentimentos do outro. Pode consistir na acusação dirigida à pessoa de que “é muito sensível” ou de que se está a “reagir exageradamente” em resposta a preocupações inteiramente válidas.

Negação: a negação corresponde à recusa em aceitar a responsabilidade pelos próprios atos, o que pode ser concretizado pela simulação de esquecimento do que aconteceu, negar a responsabilidade do sucedido ou responsabilizar terceiros que nada têm que ver com o ocorrido.

Diversão: este tipo de comportamento visa desviar as atenções do assunto em discussão, questionando a credibilidade do outro, com afirmações como “Isso são disparates que leste na internet”.

Estereotipação: a utilização de estereótipos negativos acerca da vítima de gaslighting, como aqueles que são baseados no género, etnia, orientação sexual ou idade. Por exemplo, pode-se desincentivar uma mulher de reportar uma situação de vitimação, simplesmente pelo facto de que “ninguém acreditará numa mulher”.

O gaslighting pode acontecer em todos os contextos da vida quotidiana, mas é particularmente comum em certos domínios:

Relações íntimas

A pessoa abusadora pode empregar as técnicas de gaslighting para isolar o parceiro, minar a sua confiança e torná-lo mais fácil de controlar. Podem dizer repetidamente que a vítima é irracional, levando-a a acreditar na veracidade dessa afirmação.

Relações parentais 

Progenitores ou cuidadores abusivos podem levar a criança a não exteriorizar as suas emoções, por exemplo, acusando-a de ser “muito sensível” ou “chorona” quando chora, ou envergonhá-la publicamente quando faz uma birra (5).

Relações médico-paciente

Ocorre quando um profissional de saúde desvaloriza as preocupações de saúde do paciente como sendo fruto da sua imaginação. Podem afirmar que os sintomas da pessoa “estão na sua cabeça” ou denominar o paciente de hipocondríaco. Também pode ocorrer entre médicos (6).

Relações inter-raciais

Acontece quando os seus métodos são aplicados sobre um grupo ou minoria étnica de modo a desacreditá-la ou a fomentar estereótipos associados à mesma (3).

Relações políticas

Modo como determinados grupos políticos ou de influência empregam métodos de gaslighting da opinião pública para manipular e controlar grupos alargados de pessoas, justamente por via da atribuições de epítetos descredibilizadores dos opositores políticos, apelidando-os de “mentalmente instáveis”ou usando as controvérsias destes para desviar atenções das próprias desvantagens (2).

Relações institucionais

Sempre que uma entidade ou instituição descredibiliza delatores alegando que estes padecem de problemas mentais ou perturbações, ou que simplesmente são incompetentes no desempenho das suas profissões, pelo que as suas denúncias não devem ser tidas em consideração (7).

As vítimas deste tipo de abuso podem ter dificuldades em identificá-lo. Podem efetivamente ter desenvolvido uma confiança no abusador, ou podem acreditar que não são mentalmente saudáveis ou que a sua memória não é de confiar.

Sempre que alguém se sente inseguro acerca das suas perceções ou memórias, procurando o suporte de terceiros para confirmar opiniões ou eventos passados, tal pode ser um sinal de que se é vítima de gaslighting.

Alguns possíveis sinais de que alguém poderá estar a ser vítima de gaslighting incluem:

  • Sentir incerteza nas suas perceções;
  • Questionar-se frequentemente se recorda eventos passados corretamente;
  • Acreditar que se é irracional ou desequilibrado;
  • Sentir-se incompetente, sem confiança ou sem valor;
  • Desculpar-se constantemente perante o abusador;
  • Defender os comportamentos do abusador perante terceiros;
  • Isolar-se de outras pessoas.

Este tipo de abuso psicológico pode contribuir para o desenvolvimento de perturbação de ansiedade ou depressão, bem como pode causar trauma psicológico, em particular se for parte de outros comportamentos abusivos.

Coloque-se a si próprio as seguintes perguntas. Se a maior parte delas tiverem resposta positiva é bem provável que seja vítima deste tipo de abuso psicológico:

  • A pessoa tem tendência para exagerar histórias que sabe serem falsas?
  • A pessoa diz mentiras à sua frente com um ar inocente, mesmo que só uma vez?
  • É-lhe difícil confiar na pessoa?
  • Sente-se inseguro(a) e, por vezes, tem vontade de fugir desta pessoa?
  • Fez algo que não teria feito se não tivesse sido manipulado(a) pela pessoa?
  • Quando esta pessoa parece zangada, pede-lhe desculpa imediatamente para a acalmar?
  • Acha que é sempre você a pedir desculpa e a fazer as pazes?
  • Esta pessoa alguma vez insinua que você não é suficientemente bom para merecer tudo o que tem?
  • Com esta pessoa por perto, tem tendência para duvidar da sua capacidade de se lembrar de pormenores de acontecimentos passados?
  • Sente-se sem esperança e incompreendido(a)?
  • Tem medo recente de falar e expressar as suas emoções?
  • Alguma vez ficou irritado com esta pessoa e gritou com ela?
  • Quando está zangado(a), essa pessoa age de forma inocente ou indiferente, como se você tivesse um problema de gestão emocional?
  • Esta pessoa espalha histórias ou ideias negativas sobre si aos outros?
  • Dá por si a mentir para que essa pessoa não se chateie consigo?
  • Os atos de manipulação dessa pessoa têm aumentado ao longo do tempo?

COMO A BALANÇA PODE AJUDAR

A Balance RehabClinic é uma provedora líder de tratamento de dependência de luxo e saúde mental para indivíduos ricos e suas famílias, oferecendo uma mistura de ciência inovadora e métodos holísticos com atendimento individualizado incomparável.

UM MÉTODO EXCLUSIVO

Um conceito bem-sucedido e comprovado com foco em causas subjacentes.
UM CLIENTE POR VEZ
ABORDAGEM DURADOURADA PERSONALIZADA
RESTAURAÇÃO BIOQUÍMICA
MULTIDISCIPLINAR E HOLÍSTICO
TRATAMENTO BASEADO EM TECNOLOGIA
TERAPIA INFORMADA DE TRAUMA

ABORDAGEM DURADOURO

0 Antes

Enviar solicitação de admissão

0 Antes

Definir metas de tratamento

1 semana

Avaliações abrangentes e desintoxicação

1-4 semana

Terapia física e mental contínua

4 semana

Terapia Familiar

5-8 semana

Sessões de acompanhamento pós-tratamento

12+ semana

Visitas de atualização

Saúde Mental Percepções

últimas notícias e pesquisas sobre Saúde Mental
Fobia sintomas
Fobia: Compreender Para Combater

Determinar as fobias “mais perigosas” é subjetivo, pois o impacto varia de acordo com as experiências e circunstâncias individuais

read more
transtorno de borderline
O que é transtorno de borderline

A compreensão das causas do Transtorno de Personalidade Borderline é um desafio, pois múltiplos fatores contribuem para moldar essa condição, como, por exemplo

read more
depressão psicótica tem cura
Depressão Psicótica — Conheça as causas, e veja se tem cura

A depressão psicótica é uma condição psiquiátrica complexa e debilitante que combina os sintomas da depressão com a presença de sintomas psicóticos

read more
como tratar um narcisista
Narcisismo Como lidar

A terapia cognitivo-comportamental é um tipo de terapia que pode ser usada para tratar o transtorno de personalidade narcisista

read more

Acreditações

 
NeuroCare
TAA
ssaamp
Somatic Experience
SMGP
SEMES
SFGU
WPA
red GDPS
pro mesotherapie
OGVT
AMF
NeuroCademy
MEG
institute de terapie neural
ifaf
FMH
EPA
EMDR
COPAO
COMIB
British Psychology Society
 

Media

 
Live Science
Woman & Home
National World
American Banker
Marie Claire
BBC
La Nacion
Metro UK
General Anzeiger
Mallorca Magazin
Dazed
Apartment Therapy
Express UK
Bloomberg
Cosmopolitan
Morgenpost
Manager Magazin
Entrepreneur ME
HighLife
Psychreg
DeluxeMallorca
BusinessInsider
ProSieben
Sat1
Focus
Taff
TechTimes
PsychologyToday
abcMallorca
LuxuryLife
Mirror UK
Mallorca Zeitung
Daily Mail
Guardian
Business Leader